A Confederação das Associações Económicas (CTA), maior entidade patronal de Moçambique, está a negociar uma redução de 50% na compra de energia com a estatal Eletricidade de Moçambique (EDM), para fazer face à pandemia de covid-19, foi hoje anunciado.

“Estamos em conversações com a EDM para termos mais descontos, em princípio pedimos 50% de desconto”, afirmou o vice-presidente com o pelouro de Energia da CTA, em conferência de imprensa, em Maputo, capital do país.

Na semana passada, o Governo moçambicano anunciou um desconto geral na tarifa de energia de 10% enquanto durar o estado de emergência, que vigora desde 01 de abril.

Hoje, falando no parlamento, o ministro da Economia e Finanças, Adriano Maleiane, anunciou uma redução em 50% da tarifa social de energia elétrica, medida que vai abranger pouco mais de três mil clientes da EDM considerados mais vulneráveis e que consomem até 125 quilowatt-hora por mês, principalmente nas zonas mais recônditas.

O patronato moçambicano considera que o desconto geral de 10% anunciado na semana passada não ajuda os empresários, que já registam perdas avultadas devido às restrições impostas pela pandemia de covid-19.

De acordo com Muni Sacur, a atenção deve ser dirigida especialmente para os setores da indústria e hotelaria, que estão entre os mais afetados pela crise.

O empresário apelou à EDM para que a redução da tarifa seja por um período de seis meses, considerando que a diminuição do valor da tarifa de eletricidade vai ajudar a suportar os “encargos com o pessoal”.

“Temos de salvaguardar o emprego dos nossos irmãos, porque não queremos fechar empresas”, acrescentou Muni Sacur.

Moçambique, que está em estado de emergência desde 01 de abril e até ao fim deste mês, regista um total de 233 casos do novo coronavírus, com dois mortos e 82 pessoas recuperadas.

A nível global, segundo um balanço da agência de notícias AFP, a pandemia de covid-19 já provocou mais de 355 mil mortos e infetou mais de 5,7 milhões de pessoas em 196 países e territórios.

Mais de 2,2 milhões de doentes foram considerados curados.

Publicidade