O secretário para a Economia e Finanças explicou que a medida não abrange casinos, hotéis com mais de três estrelas e serviços públicos, aplicando-se apenas a Pequenas e Médias Empresas (PME), mas com limites máximos nas faturas da água de três mil patacas (cerca de 335 euros) e na da luz de dez mil patacas (mais de 1.116 euros).

Do lado dos residentes, a isenção do pagamento de água e luz nos meses de março, abril e maio vai abranger 220 mil residências e montantes totais de 204 milhões de patacas (cerca de 23 milhões de euros) na eletricidade e 55 milhões de patacas (mais de seis milhões de euros) na água, afirmou Lei Wai Nong, na conferência de imprensa diária do Centro de Coordenação de Contingência do Novo Tipo de Coronavírus.

Por outro lado, o subsídio de apoio ao consumo estará disponível para todos os residentes em abril, decorrendo o registo ‘online’ a partir de meados e até ao fim deste mês.

O registo será feito na página eletrónica da Autoridade Monetária e Cambial de Macau (AMCM) e o cartão será obtido em abril, junto de mais de uma centena de sucursais bancárias e 32 de serviços públicos, adiantou.

Anunciados no mês passado, os vales de consumo eletrónicos destinam-se a cada residente de Macau, permanentes e não permanentes, no valor de três mil patacas (cerca de 335 euros).

Lei Wai Nong reiterou que o limite máximo diário no cartão é de 300 patacas (cerca de 34 euros).

No mês passado, o Governo de Macau anunciou benefícios fiscais para empresas e população, uma linha de empréstimos bonificados para as pequenas e médias empresas e medidas de apoio social para reduzir o impacto económico do surto de Covid-19.

Na altura, Lei Wai Nong explicou que as medidas excecionais passam pela isenção ou redução dos impostos, pela abertura de uma linha de empréstimo com juros bonificados, pelo reforço do apoio social, no desenvolvimento das competências profissionais dos trabalhadores, bem como pelo lançamento de vales de consumo eletrónico.

Há 30 dias sem casos novos da doença, Macau registou dez infetados, sendo que apenas um paciente continua internado.

O surto de Covid-19, detetado em dezembro, na China, e que pode causar infeções respiratórias como pneumonia, provocou cerca de 3.300 mortos e infetou mais de 95 mil pessoas em 79 países, incluindo oito em Portugal.

Das pessoas infetadas, mais de 50 mil recuperaram.

Além de 3.012 mortos na China, há registo de vítimas mortais no Irão, Itália, Coreia do Sul, Japão, França, Hong Kong, Taiwan, Austrália, Tailândia, Estados Unidos da América e Filipinas, San Marino, Iraque, Suíça e Espanha.

Publicidade