Os Estados Unidos da América (EUA) ultrapassaram hoje os 90.000 mortos e mais de 1,5 milhões de pessoas infetadas por covid-19, de acordo com o último balanço feito pela Universidade Johns Hopkins.

Segundo esta instituição, sediada em Baltimore, Maryland, citada pela agência France-Presse (AFP), morreram mais 10.000 pessoas na última semana nos Estados Unidos.

O estado de Nova Iorque é responsável por quase um terço do total de mortes associadas à pandemia da doença provocada pelo novo coronavírus (SARS-CoV-2), com mais de 28.300 óbitos, sublinha a Universidade Johns Hopkins.

A Universidade Johns Hopkins adianta que já foram realizados 11,5 milhões de testes em todo o país e que cerca de 272.000 pessoas já são consideradas curadas.

De acordo com a Universidade de Massachusetts, os EUA deverão chegar às 112.000 mortes até 06 de junho, previsão baseada em 20 modelos epidemiológicos produzidos.

Contudo, segundo a plataforma de estatísticas ‘Worldometer’, países como a Itália, Espanha, Reino Unido, França, Bélgica e a Suécia registaram mais óbitos por milhão de habitantes.

A nível global, segundo o último balanço feito pela AFP, a pandemia já provocou a morte a pelo menos 316.000 pessoas e infetou mais de 4,7 milhões em 196 países e territórios.

Mais de 1,7 milhões de doentes foram considerados curados.

Publicidade