O primeiro-ministro de Cabo Verde, Ulisses Correia e Silva, defendeu hoje que seja declarada de imediato a situação de emergência no país, possibilidade que já foi discutida esta manhã com o Presidente da República, Jorge Carlos Fonseca.

Numa mensagem ao país, o primeiro-ministro confirmou a reunião com o chefe de Estado e revelou que o Presidente “pondera seriamente a possibilidade de declaração de situação de emergência constitucional” em Cabo Verde.

Tal declaração, afirmou, “irá permitir ao Governo reforçar as medidas de prevenção, nomeadamente a obrigatoriedade legal de as pessoas permanecerem em casa e o encerramento de serviços e empresa privadas, e a obrigatoriedade acrescida de dever de colaboração de todas as entidades com as autoridades sanitárias e de proteção civil”.

No espaço de uma semana, Cabo Verde contabilizou quatro casos confirmados de covid-19, em duas ilhas, e um óbito.

“O Governo é favorável à declaração de situação de emergência porque dá ao Governo instrumentos adicionais e reforçados de intervenção e sugere que seja feita de imediato para permitir uma eficácia da execução das medidas em curso”, afirmou Ulisses Correia e Silva.

O primeiro caso confirmado de covid-19 no arquipélago surgiu há uma semana, na ilha da Boa Vista. Tratou-se de um cidadão inglês, de 62 anos, que acabou por morrer esta semana. Na mesma ilha, que entretanto foi isolada do restante arquipélago, foram confirmados mais dois casos, também turistas estrangeiros, e já esta semana confirmado o primeiro caso na cidade da Praia, ilha de Santiago.

A partir da meia-noite de hoje, e pelo menos até 17 de abril, são suspensas todas as ligações aéreas e marítimas interilhas, com exceção dos navios que transportam mercadorias, conforme anúncio feito ao país pelo chefe do Governo.

“É agora que temos que ganhar esta guerra. Ganharemos esta guerra com o reforço das medidas preventivas mais duras, mas também com o aumento rápido da consciência social dos cidadãos”, afirmou Ulisses Correia e Silva.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infetou mais 480 mil pessoas em todo o mundo, das quais morreram perto de 22.000.

O continente africano registou até hoje 73 mortes devido ao novo coronavírus, ultrapassando os 2.700 casos, em 46 países.

Publicidade

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here