Material necessário para a construção de uma extensão ao Laboratório Nacional de Timor-Leste, usado para testes à covid-19, está retido no Porto de Díli por decisão do Ministério de Transportes, disse à Lusa fonte do projeto.

“Temos um contentor com material para arrancar com a obra e não deixam tirar o contentor porque consideram que material de construção não é essencial”, disse a fonte à Lusa.

O presidente do Conselho de Administração da Autoridade Portuária de Timor-Leste (Aportil), Flávio Cardoso Neves, disse hoje à Lusa que é ainda necessário reconfirmar com o Governo instruções contraditórias sobre a aplicação das medidas do estado de emergência.

“Temos que assegurar que se seguem as instruções do Governo para gerir as nossas operações e recursos humanos”, disse à Lusa.

“Vou voltar a verificar. Temos que verificar com o Governo se as instruções são ou não diferentes do decreto do estado de emergência”, afirmou.

Fonte da Aportil explicou à Lusa que a confusão se deve a informações comunicadas telefonicamente pelo próprio ministro dos Transportes, resultando em dois despachos que se contradizem.

Um primeiro despacho datado de 30 de março e assinado por Flávio Neves detalhava apenas as regras de serviços mínimos, distanciamento, higiene e impedimento ao desembarque de tripulantes dos navios de transporte.

Esse despacho não referia qualquer limitação ao tipo de produtos que pode ser retirado do porto, como prevê o decreto do estado de emergência.

No entanto, um segundo despacho, datado do mesmo dia, dá instruções aos serviços, referindo que podem sair do porto produtos associados a “necessidades básicas e humanitárias”, mas que não podem ser retirados “carros, motas e material de construção”.

A confusão, que se espalhou nas redes sociais, levou mesmo, segundo Flávio Cardoso Pires, a que muitos funcionários não tivessem ido trabalhar por “pensarem que o porto está fechado”.

O decreto do estado de emergência não referia qualquer limitação ao funcionamento do porto – suspendendo apenas transportes coletivos de passageiros – e indicava que os estrangeiros responsáveis pelo transporte de mercadorias ou libertação de mercadorias importadas deverão permanecer na zona internacional dos portos de mar, dos aeroportos ou dos postos de fronteira terrestre.

Timor-Leste tem um caso confirmado de covid-19 e está em estado de emergência desde sábado.

 O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infetou mais de 828 mil pessoas em todo o mundo, das quais morreram mais de 41 mil.

Dos casos de infeção, pelo menos 165 mil são considerados curados.

Depois de surgir na China, em dezembro, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar uma situação de pandemia.

Publicidade