A comunidade portuguesa em Macau angariou mais de 4,6 milhões de patacas (530 mil euros) para comprar equipamento de proteção para os profissionais de saúde em Portugal e material que garanta mais testes à covid-19.

O montante recolhido ao longo de duas semanas é de 4.661.377,70 patacas, indicou à Lusa o presidente do Banco Nacional Ultramarino (BNU) em Macau, Carlos Álvares.

A iniciativa promovida por um movimento que junta quase duas dezenas de entidades e personalidades que definiram como prioridade a aquisição de equipamento que proteja todos aqueles que estão na linha da frente e a capacidade nacional de deteção de casos.

A conta aberta no BNU deveria estar aberta até 05 de abril. Contudo, o prazo foi prorrogado por mais dois dias e o saldo continuou a crescer, em especial após a entrega de dois cheques de valores avultados: um milhão de patacas (120 mil euros) doado pela Sociedade de Turismo e Diversões de Macau, fundada pelo magnata do jogo Stanley Ho, e meio milhão de patacas (60 mil euros) entregue pela Santa Casa da Misericórdia de Macau, indicou à Lusa o provedor da instituição, António José de Freitas, outra das entidades envolvidas na iniciativa.

Em Portugal há a registar 380 mortos e 13.141 pessoas infetadas com a covid-19.

Dos infetados, 1.211 estão internados, 245 dos quais em unidades de cuidados intensivos, e há 196 doentes que já recuperaram.

Portugal encontra-se em estado de emergência desde 19 de março.

Publicidade