As autoridades de Macau alertaram hoje que continua a existir um risco de surto da covid-19 na comunidade e pediram à população para manter as medidas de prevenção de contágio em vigor.

No mesmo dia em que foi anunciado o 44.º caso importado da doença respiratória, o médico do Centro Hospitalar Conde São Januário Lo Ick Long considerou existir ainda “um risco de surto na comunidade” local.

Na conferência de imprensa diária do Centro de Coordenação de Contingência do Novo Tipo de Coronavírus, o responsável pediu à população que mantenha as medidas de prevenção definidas pelas autoridades do território.

Para evitar a circulação de pessoas, o autocarro público entre Macau e Hong Kong, através da ponte Hong Kong-Zhuhai-Macau, vai deixar de fazer a única ligação direta entre as duas regiões às 00:00 (17:00 de hoje em Lisboa) de segunda-feira.

“Nenhum transporte público pode ligar as duas regiões, a partir de segunda-feira”, com exceção para carros particulares autorizados e transporte de mercadorias, afirmou o responsável do Corpo de Polícia de Segurança Pública.

A partir de hoje, os corredores de entrada e saída de veículos na ponte, antes abertos 24 horas, vão passar a funcionar entre as 06:00 e as 22:00, enquanto os postos fronteiriços vão estar abertos entre as 10:00 e as 20:00.

Na passada terça-feira, o transporte pelas autoridades de Macau de residentes regressados ao território através de Hong Kong terminou. A esmagadora maioria das pessoas que chega a Macau de destinos internacionais, que não a Ásia, aterra no Aeroporto Internacional Hong Kong e só depois vem para Macau através da maior ponte do mundo que liga as duas regiões, ou por ligação marítima, já suspensa.

Hong Kong, numa medida muito similar também aplicada em Macau, proíbe desde há uns dias a entrada de todos os não residentes na região semiautónoma chinesa, o que torna praticamente impossível os residentes de Macau chegarem a ‘casa’.

Por outro lado, as autoridades indicaram que um dos hotéis designados para a quarentena obrigatória de 14 dias foi já desocupado, estando ainda a ser desinfetado e limpo, passando a 11 o número de unidades hoteleiras designadas para observação médica.

As autoridades contabilizaram agora 1.818 pessoas em quarentena, das quais 1.605 residentes de Macau, 176 trabalhadores não residentes e 37 turistas.

Depois de Macau ter estado 40 dias sem identificar qualquer infeção, a partir de meados de março foram identificados 34 novos casos, todos importados.

Em fevereiro, Macau registou uma primeira vaga de 10 casos da covid-19, já todos com alta hospitalar. Após a deteção de novos casos, as autoridades reforçaram as medidas de controlo e restrições fronteiriças, assim como a obrigatoriedade de quarentena de 14 dias imposta a praticamente todos aqueles que entrem no território.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infetou cerca de 1,2 milhões de pessoas em todo o mundo, das quais morreram mais de 63 mil.

Depois de surgir na China, em dezembro, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar uma situação de pandemia.

Publicidade