O Governo são-tomense vai adotar novas medidas de prevenção contra a covid-19, que incluem a redução dos passageiros nos transportes públicos e o estabelecimento de novos horários para o comércio formal e informal na capital.

“Vamos adotar uma série de novas medidas preventivas, mas antes estabeleceremos diálogos com toda a gente, antes de tomarmos estas medidas”, disse o ministro da Defesa e da Ordem Interna, Óscar Sousa, no final de uma reunião multissetorial destinada a endurecer as medidas de prevenção contra o novo coronavírus.

À câmara distrital de Água Grande foi atribuída a responsabilidade de dialogar com as associações dos taxistas, das peixeiras, dos comerciantes formais e informais, dos ‘cambistas’ (pessoas que fazem câmbios na rua) e outras associações socipprofissionais antes de o Governo avançar com as novas medidas, que se preveem “para breve”.

“A partir das 18:00 nós não vamos permitir que se venda seja o que for. Os mercados vão estar fechados, as barracas e quiosques vão estar fechados, de forma a permitir que o pessoal de limpeza possa trabalhar”, explicou Óscar Sousa.

O ministro sublinhou que “diligências serão feitas posteriormente, quer pela Direção dos Transportes Terrestres, quer pelo comando geral da Polícia Nacional e as Forças Armadas”, para que as novas medidas preconizadas pelo Governo sejam implementadas.

Hoje mesmo reuniu-se o comité de emergência para analisar a situação da doença no país, tendo, no final, o porta-voz e ministro da saúde, Edgar Neves, reafirmado que não existe no país qualquer suspeito de estar infetado pelo novo coronavírus, mas apelando à população para “intensificar cada vez mais” as medidas de prevenção contra a covid-19.

Os dois principais mercados de vendas no centro da capital e os transportes públicos foram referidos pelo ministro Edgar Neves como sendo “aspetos sobre os quais o Governo vai adotar novas medidas”.

O governante considerou que em termos de vigilância epidemiológica a situação continua estável, sublinhando que os cerca dos 150 cidadãos que se encontram em quarentena, espalhados por quatro estabelecimentos do país, “se apresentam de boa saúde”.

São Tomé e Príncipe é, até ao momento, um dos cinco países e territórios do continente africano sem registo de infeção pelo novo coronavírus.

A partir desta sexta-feira, é renovado o estado de emergência no país, em vigor desde 20 de março, e por um novo período de 15 dias.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infetou mais de 940 mil pessoas em todo o mundo, das quais morreram mais de 47 mil.

Dos casos de infeção, cerca de 180.000 são considerados curados.

O número de mortes em África subiu para pelo menos 240 num universo de mais de 6.400 casos confirmados em 49 países, de acordo com as estatísticas sobre a doença naquele continente.

Publicidade