A Associação Internacional de Transportes Aéreos (IATA) estimou hoje perdas superiores a 70 mil milhões de euros nas receitas com passageiros para as companhias aéreas europeias em 2020, que são das mais afetadas do mundo pela pandemia de covid-19.

“Estimamos uma perda nas receitas com passageiros de 76 mil milhões de dólares [pouco mais de 70 mil milhões de euros] este ano para as companhias aéreas na Europa”, declarou hoje o vice-presidente regional para a Europa da Associação Internacional de Transportes Aéreos (IATA, na sigla em inglês), Rafael Schvartzman.

Em declarações aos jornalistas numa teleconferência sobre o impacto económico da pandemia para o setor aeronáutico europeu, o responsável indicou que nesta que é “uma crise sem precedentes para o setor” há transportadoras aéreas europeias “que só terão dinheiro disponível para uma suspensão [das suas operações] por dois meses”.

“Há outras companhias que poderão nem ter isso disponível”, destacou.

Segundo Rafael Schvartzman, uma vez que a Europa é o centro da pandemia “será, certamente, um dos continentes mais afetados por perdas no setor da aviação”, juntamente com o asiático.

“Nunca vimos uma crise como esta e, por isso, acreditamos que este é o momento de os governos apoiarem o setor”, instou o responsável, apelando para ajudas diretas dos Estados às companhias aéreas.

Já falando sobre a anunciada suspensão das regras da União Europeia (UE) entre março e outubro no que toca à atribuição dos ‘slots’ às companhias aéreas, dando mais flexibilidade na utilização destas faixas horárias de descolagem e aterragem, Rafael Schvartzman saudou as medidas adotadas pela Comissão Europeia.

Ainda assim, exortou a mais mexidas temporárias nas regras comunitárias, dada esta “situação excecional”, que a seu ver devem passar a permitir que, em vez de reembolsos aos passageiros, as companhias aéreas possam atribuir ‘vouchers’ com o valor pago pelos clientes com voos cancelados, o que já acontece nalgumas companhias aéreas.

“A ideia de dar os ‘vouchers’ é porque, de outra forma, estas empresas não terão dinheiro disponível para manter o seu negócio”, explicou Rafael Schvartzman.

O vice-presidente regional para a Europa da IATA admitiu ainda que, sem apoios governamentais ou institucionais, “será muito difícil para as companhias sobreviverem”.

“E não estamos só a falar das que já são frágeis, estamos também a falar das que vão sair vulneráveis desta crise”, adiantou Rafael Schvartzman.

A IATA agrega 290 companhias aéreas, que representam 82% do tráfego mundial.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infetou perto de 480 mil pessoas em 182 países e territórios, das quais mais de 22.000 morreram.

Para tentar conter o surto, os governos da UE estão a adotar medidas como o confinamento dos cidadãos e o fecho ou controlo de fronteiras, tendo ainda sido adotada uma suspensão das viagens (nomeadamente as aéreas) não essenciais.

Publicidade

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here