A União Europeia (UE) quer canalizar o seu apoio a Timor-Leste no âmbito das respostas à covid-19 através de programas virados para o apoio ao setor privado na recuperação económica, disse à Lusa o embaixador europeu em Díli.

Particular atenção, disse Andre Jacobs, deve ser dada aos setores mais vulneráveis da população, especialmente nas zonas rurais, que vão sentir o maior impacto da contração da economia nacional.

“Para já o que queremos fazer é apoiar com a recuperação económica, garantindo que os fundos disponíveis no país são canalizados para a covid-19”, disse à Lusa.

“Esperamos que haja, da parte do Governo, uma estratégia de recuperação económica à qual podemos depois ancorar o nosso apoio”, frisou.

Questionado sobre que setores deveriam merecer mais atenção, o embaixador europeu disse que é necessário fortalecer o apoio à criação de pequenas e medidas empresas, inclusive melhorando a disponibilidade de crédito e apostando na formação vocacional virada para esta questão.

“Mas também é preciso dar muita atenção aos mais vulneráveis que se tornarão ainda mais vulneráveis nas próximas semanas”, disse.

“Medidas em paralelo para ajudar a retoma, expansão e diversificação do setor privado e atenção especialmente nas zonas rurais aos que estão a sofrer mais com a queda economia”, sublinhou.

Jacobs explicou que a UE está a estudar com o Governo timorense a “possibilidade de antecipar pagamentos significativos de apoio orçamental previstos em 2021 para este ano”, podendo assim “reforçar a disponibilidade orçamental quando é mais necessária”.

Entre os setores económicos vai manter-se a implementação do programa “Ai ba Futuru”, a Parceria para a Agrofloresta Sustentável (PSAF), cofinanciada pela União Europeia e pelo Governo alemão que já plantou mil árvores na zona de Venilale.

“A União Europeia está empenhada em apoiar o setor agroflorestal de Timor-Leste para garantir que os agricultores e os empresários possam fornecer meios de subsistência às suas famílias durante este período crítico”, refere um documento da UE enviado à Lusa.

Jacobs explicou que, globalmente, se espera que a União Europeia anuncie na quarta-feira um pacote global de assistência, não havendo ainda certezas de se haverá ou não eventuais apoios adicionais para Timor-Leste.

Até lá, disse, a UE em Timor-Leste “assegurou rapidamente que os seus programas de cooperação em curso respondem eficazmente aos desafios muito significativos da covid-19”, com iniciativas orçadas entre cerca de 1,85 milhões de euros.

A resposta da União Europeia centra-se em questões como na saúde, higiene, saneamento, proteção do género e na preparação de conteúdos e pacotes de informação e sensibilização sobre a doença.

No campo da saúde e higiene a UE vai apoiar a Organização Mundial de Saúde (OMS) em Timor-Leste através do “financiamento de conhecimentos especializados e da implementação de um conjunto de atividades centradas na preparação, prevenção e contenção” da doença.

Paralelamente, em parceria com a UNICEF, a UE vai aumentar a reconstrução dos sistemas básicos de água, saneamento e higiene em Díli e Baucau, apoiar o Ministério da Saúde nas medidas necessárias para evitar a propagação da covid-19.

Vai ainda fornecer equipamento de proteção individual (EPI) aos profissionais de saúde e fortalecer a parceria com a UNICEF no programa de Nutrição Integrada.

Parte do apoio será ainda canalizado para a proteção de mulheres e crianças que ficam em “maior risco de violência” em situações de emergências humanitárias, catástrofes naturais ou pandemias globais.

Por isso, um quarto do primeiro orçamento anual do programa Spotlight, lançado este ano em Díli destina-se “a abordar a violência contra as mulheres e as raparigas no contexto da covid-19”.

Isto inclui o desenvolvimento de políticas, reforço da Unidade de Pessoas Vulneráveis e as respostas da Polícia Comunitária às sobreviventes da violência, sendo criado um espaço seguro nas instalações de saúde em Viqueque.

Será ainda dado apoio às organizações locais da sociedade civil para ajustar o seu trabalho neste contexto de pandemia, sendo reforçadas ainda as campanhas de informação e sensibilização — com cartazes e anúncios televisivos.

Publicidade