O aeroporto internacional da Praia recebe hoje um “voo sanitário” proveniente de Lisboa com seis toneladas de medicamentos, entre outro material para apoiar o combate à covid-19, fretado pelo Governo cabo-verdiano à companhia aérea açoriana SATA.

Em comunicado, o Governo cabo-verdiano refere que este voo foi organizado pelo Ministério da Saúde e de Segurança Social, em conjunto com a empresa estatal Emprofac, tendo chegada prevista à Praia pelas 15:00 locais (17:00 em Lisboa).

“O voo sanitário vem com seis toneladas de medicamentos e equipamentos de proteção individual para o abastecimento das estruturas hospitalares e também das farmácias privadas”, refere-se no mesmo comunicado.

Será operado com um aparelho A321 Neo da Azores Airlines – subsidiária do Grupo SATA e que opera voos no exterior do arquipélago dos Açores – e antecipa o encerramento dos aeroportos portugueses no período da Páscoa, como medida de prevenção à progressão da pandemia da covid-19.

“Face à decisão do Governo português de encerrar o aeroporto de Lisboa a partir do dia 09 de abril, o Governo cabo-verdiano operacionalizou este voo sanitário, que vem com medicamentos e equipamentos de proteção individual importantes para o mercado cabo-verdiano”, lê-se ainda.

Acrescenta que além deste voo, está prevista a chegada a Cabo Verde de um outro carregamento, também por via aérea, neste caso proveniente da China, no dia 24 de abril, com mais de 20 toneladas de equipamentos de proteção individual.

Cabo Verde conta com sete casos confirmados da covid-19, entre as ilhas da Boa Vista (4), de Santiago (2) e São Vicente (1).

O país cumpre hoje 11 dias, de 20 previstos, de estado de emergência para conter a pandemia provocada pelo novo coronavírus, com a população obrigada ao dever geral de recolhimento, com limitações aos movimentos, empresas não essenciais fechadas e todas as ligações interilhas e para o exterior suspensas.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infetou cerca de 1,4 milhões de pessoas em todo o mundo, das quais morreram mais de 80 mil.

Dos casos de infeção, cerca de 260 mil são considerados curados.

Publicidade