Os Prémios Internacionais de Música Portuguesa (IPMA) distinguiram músicos portugueses, luso-descendentes e de países lusófonos na noite de sábado, com a presença de artistas internacionais e um público de cerca de 1.000 pessoas em New Bedford, nos Estados Unidos.

A sétima edição dos IPMA realizou-se no centro de artes Zeiterion e contou com actuações dos portugueses Rita Guerra, Sam The Kid, João Pedro Pais, Nuno Bettencourt, The Code e dos luso-descendentes Cordeone e Rebecca Correia, numa cerimónia que premiou artistas de sete países.

Momentos musicais num palco mais pequeno colocado no meio do público, utilizado pelo guitarrista Nuno Bettencourt, que tocou o hino português na guitarra, ou pelo cantor João Pedro Pais, tornaram a noite mais intimista.

Já Rita Guerra, Sam The Kid, Cordeone e The Code protagonizaram os momentos com mais ritmo do espectáculo.

Todas as actuações receberam o entusiasmo das cerca de mil pessoas presentes, aliadas à apresentação do espectáculo por Ricardo Farias e Cátia Aldeagas, e ao entretenimento pelo comediante Mike Rita.

O fado, a música tradicional e a música popular foram três categorias que distinguiram Cordeone, de França, os açorianos Ronda da Madrugada e Michelle Madeira, artista do Canadá.

Os IPMA começam pela candidatura ‘online’ de artistas luso-descendentes ou de países lusófonos, que passam a estar nomeados nas categorias se forem um dos quatro mais votados pelo público. Este ano, segundo os apresentadores, chegaram participações de 100 países.

A canção do ano dos IPMA é “Xtoria D’bo Manera”, cantada pelo cabo-verdiano Roy Job, escrita em conjunto com Kyle Job, dos Estados Unidos.

O cantor Roy Job disse que este foi o quarto prémio que recebeu no percurso de uma semana e agradeceu à família e ao povo português e cabo-verdiano.

“Portugal, Cabo Verde… One Love”, disse o cantor.

Também os cabo-verdianos Tito Paris e Cremilda Medina foram distinguidos na categoria de música internacional, pela canção “Nôs Morna”.

“Estou emocionada porque este ano a morna está candidata ao Património Imaterial Cultural da Humanidade”, disse Cremilda Medina, depositando esperanças em que este género musical passe a estar na lista da UNESCO e acabando a sua intervenção com frases em crioulo.

A categoria de rock foi conquistada por Social Hysteria, do Canadá, que aproveitou para “mandar um abraço ao pessoal da Batalha, de Leiria e de Toronto”.

Peter Serrado, também do Canadá, foi reconhecido como novo talento, depois de concorrer contra Lioness, do Luxemburgo.

A banda The Code, proveniente dos Açores, actuou com a bandeira da região autónoma na mão e ganhou também o prémio de melhor videoclip musical.

As categorias de dança, rap e hip-hop e Pop tiveram como vencedores, respectivamente, Sabrina Alves (África do Sul), Andy Scotch (Portugal) e Sarah Pacheco (dos Estados Unidos).

As mães portuguesas foram também estrelas da noite, com várias homenagens pela sua dedicação aos filhos e pela comida que preparam.

Os IPMA são já um evento anual e conhecido da cidade de New Bedford, nos Estados Unidos, uma localidade portuária onde vivem muitos imigrantes portugueses e luso-descendentes, principalmente dos Açores.

Publicidade