As informações das imagens obtidas em tempo real pelo sistema Deter-B indicaram que durante o mês de abril foram emitidos sinais de alerta em 405,6 quilómetros quadrados nos estados da chamada Amazónia Legal, que inclui o Acre, Amapá, Amazonas, Mato Grosso, Pará, Rondônia, Roraima, Tocantins e parte do Maranhão.

O aumento da desflorestação na Amazónia coincide com o período de adoção de medidas de isolamento social, quarentena e, em alguns casos, de confinamento total, como em Belém e São Luís, capitais dos estados do Pará e Maranhão, respetivamente, para conter a disseminação do novo coronavírus.

O recorde de desflorestação na Amazónia para o mês de abril foi alcançado em 2018, com 489,5 quilómetros quadrados de área florestal abatida.

O estado a registar maior desflorestação no mês passado foi o Mato Grosso, com 144,58 quilómetros quadrado, equivalente a cerca de 35% do total.

De acordo com a amostra do sistema Deter-B, 96% da área que sofreu desflorestação teve perda de cobertura de vegetação, apenas 2% manteve, e 1,3% teve registo de atividades de mineração.

Na quinta-feira, o Presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, autorizou o envio das Forças Armadas para diferentes estados do país para combater a desflorestação e evitar incêndios na Amazónia brasileira.

O decreto com a autorização foi publicado em Diário Oficial da União e, por enquanto, limita a ação do Exército entre 11 de maio e 10 de junho, para combater a destruição da floresta Amazónia.

As Forças Armadas poderão atuar em regiões fronteiriças, terras indígenas e em unidades federais de conservação ambiental dos estados da Amazónia Legal.

Segundo cálculos publicados recentemente pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) brasileiro, entre janeiro e março deste ano, a Amazónia brasileira perdeu 796,08 quilómetros quadrados de cobertura vegetal, face aos 525,63 quilómetros quadrados desflorestados no mesmo período de 2019.

Dessa forma, a tendência de destruição da região da Amazónia continua em alta, já que no ano passado a desflorestação cresceu 85%, para 9.165,6 quilómetros quadrados, o seu nível mais alto desde 2016.

A Amazónia brasileira foi fortemente ameaçada no ano passado pelos incêndios que fustigaram a região entre junho e agosto e obrigou o Governo a enviar as Forças Armadas para ajudar a controlar os fogos.

As imagens dos incêndios a destruir enormes extensões de vegetação circularam ao redor do mundo e causaram uma onda de indignação entre a comunidade internacional e organizações não-governamentais, que acusaram Jair Bolsonaro de ter uma retórica anti-ambiental.

A Amazónia, a maior floresta tropical do mundo que possui a maior biodiversidade registada numa área do planeta, tem cerca de 5,5 milhões de quilómetros quadrados e inclui territórios do Brasil, Peru, Colômbia, Venezuela, Equador, Bolívia, Guiana, Suriname e Guiana Francesa (pertencente à França).

Publicidade