Dois agentes da polícia moçambicana foram encontrados mortos na fronteira entre Moçambique e África do Sul em resultado de um incidente com militares sul-africanos, disse hoje fonte oficial.

“O incidente fronteiriço, que envolveu a polícia moçambicana e militares sul-africanos, teve como consequência dois óbitos e nós já entrámos em contacto com as autoridades da África do Sul para, em conjunto, apurarmos o que aconteceu”, afirmou o porta-voz do Comando-Geral da Polícia de Moçambique na província de Maputo, Jurasse Martins.

Os corpos dos dois agentes foram encontrados na Ponta do Ouro, na parte moçambicana, e, segundo o diário O País, que cita fonte locais, suspeita-se que tenham sido baleados por três militares sul-africanos após uma discussão.

O ministro dos Negócios Estrangeiros e Cooperação de Moçambique, José Pacheco, disse hoje que há uma equipa conjunta a investigar o caso para “esclarecer o que efetivamente aconteceu”.

“A Polícia está a trabalhar para entender o que efetivamente motivou o incidente e só depois disso é que podemos encetar ações com vista ao esclarecimento”, afirmou José Pacheco.

A ideia é “fazer com que este incidente não crie mal-estar nas relações entre Moçambique e África do Sul”, acrescentou o governante.

Também hoje, o porta-voz da Força de Defesa Nacional da África do Sul (SANDF, sigla em inglês) anunciou que militares desta força envolveram-se num “incidente de tiros” com a polícia de fronteira de Moçambique, sem indicar a existência de vítimas.

Segundo Mafi Mgobozi, em entrevista ao canal de televisão ENCA, o incidente ocorreu na área da reserva animal de Ndumo, que faz fronteira com Moçambique, no nordeste da província sul-africana do KwaZulu-Natal.

“Queremos confirmar que um incidente de tiros ocorreu ontem [domingo] entre os nossos soldados e a polícia de fronteira de Moçambique, na área de Ndumo, leste de Farazella, ao longo da fronteira entre a África do Sul e Moçambique”, explicou Mgobozi.

De acordo com o porta-voz militar sul-africano, os soldados do país “realizavam uma patrulha de rotina, como parte da proteção da fronteira, quando o incidente ocorreu”, acrescentando que “os detalhes sobre este incidente são ainda incompletos e as razões para o tiroteio desconhecidas”.

Mafi Mgobozi referiu que “uma equipa da SANDF encontra-se já em Ndumo a investigar a ocorrência para determinar as causas do incidente”, adiantando que do lado sul-africano “não há a registar qualquer baixa”.

Publicidade