A editora Ostinato regressa a Cabo Verde para abordar o funaná “frenético” e cru dos anos 1990, numa compilação que fala de liberdade, das primeiras eleições democráticas e de viagens a São Tomé para se comprar um acordeão.

Vik Sohonie, antigo jornalista e responsável pela Ostinato Records, conhecia a música cabo-verdiana a partir da sua maior embaixadora, Cesária Évora, mas cedo percebeu que há mais para lá das mornas e a descoberta levou-o à edição de dois álbuns, um em torno da música dos anos 1970 e 80 feita na diáspora e outro sobre os Pilon, grupo criado no Luxemburgo nos anos 1990.

Ganha agora forma o terceiro capítulo da viagem da Ostinato por Cabo Verde, com a compilação “Pour Me a Grog”, centrada no funaná que se fazia no final dos anos 1990 no arquipélago, onde aparecem nomes como Ferro Gaita, Orlando Pantera, Chando Graciosa ou Fefé di Calbicera.

Publicidade