Segundo Neves Silva, a nova fábrica terá, numa primeira fase, capacidade de processar 4.000 quilates de diamantes brutos por mês e a sua construção enquadra-se no plano estratégico da Sociedade de Comercialização de Diamantes de Angola (Sodiam) 2018/22.

Falando aos jornalistas no final de um encontro entre a delegação da Sodiam e parceiros do projeto com o Daniel Neto, governador provincial da Lunda Sul, Neves Silva referiu que as obras de construção decorrerão entre fevereiro e agosto do próximo ano, contribuindo para geração de emprego entre os jovens.

Sem avançar quaisquer dados sobre os valores agregados na compra da matéria-prima, como diamantes brutos e outros, Neves Silva disse que a unidade terá a maior capacidade instalada no país e que está orçada em 10 milhões de dólares (8,7 milhões de euros).

O administrador executivo da Sodiam sublinhou que a existência da mina de Catoca, na região, influenciou a construção da fábrica na Lunda Sul, uma vez que foi já aprovada uma política de comercialização dos diamantes.

Por outro lado, acrescentou, em termos de produção, a província representa 80% do volume e 70% em valor.

A par da construção da fábrica de corte e lapidação de diamantes, o responsável avançou que consta do mesmo projeto a criação de um Polo Industrial de Desenvolvimento numa área de cinco hectares, com a previsão de alargar o espaço, uma vez que a ideia base é ter um centro de formação, um hotel da Endiama e outros serviços integrados, como bancos e repartições fiscais da Autoridade Tributária.

O Polo Industrial, frisou, não terá apenas fábricas de lapidação, mas também outras indústrias agregadas à atividade diamantífera, uma vez que a ideia é ter um “cluster diamantífero” no projeto.

Explicou que a empreitada será feita em regime de parceria entre a Sodiam e as empresas chinesas CBRITEC e PERFECT WEALTH Ltd, e será erguida nas imediações da Sociedade Mineira de Catoca, atendendo à relação custo/benefício.

O administrador revelou que em termos de lapidação em Angola, a SODIAM processa cerca de 5% a 7% do volume da produção de diamantes e 500 mil quilates por ano.

Na ocasião, o governador provincial da Lunda Sul garantiu todo o apoio necessário para que o projeto atinja os resultados preconizados, indicando ter criado uma equipa técnica para trabalhar em colaboração com a Sodiam.

Daniel Neto considerou o projeto “um ganho” para a província, pois irá ajudar a colmatar a problemática do desemprego que se regista, sobretudo na camada jovem.

A Sodiam, empresa subsidiária da diamantífera estatal angolana Endiama, tem nos arredores de Luanda uma outra fábrica de lapidação de diamantes, a Angola Polishing Diamonds, reinaugurada a 03 de fevereiro de 2015, onde são criadas as linhas de joias de produção nacional.

Publicidade