A iniciativa do grupo sediado no Kuwait irá abranger operações em pista, serviços a passageiros e de engenharia, incluindo ‘check-in’, embarque, assistência na pista, manutenção, limpeza e armazenamento e movimentação de carga.

“O tráfego aéreo está a crescer constantemente em Moçambique. Associado ao desenvolvimento dos setores do petróleo e do gás e mineiro, há uma procura enorme de bens e serviços relacionados com o transporte de passageiros e bens”, afirmou o diretor-executivo da NAS, Hassan El-Houry.

“Isto requer um forte investimento nos mais recentes equipamentos, tecnologias e processos nos diferentes aeroportos em Moçambique, tudo o que a NAS pode fornecer com facilidade”, acrescentou o diretor-executivo da empresa.

Hassan El-Houry disse estar “ansioso para utilizar” a experiência da empresa para modernizar operações e aumentar a eficiência dos serviços naquele país.

Segundo o comunicado, a NAS deverá investir 50 milhões de dólares (44,4 milhões de euros) em África nos próximos três anos, sendo que Moçambique será o primeiro país africano abrangido por este investimento da empresa kuwaitiana.

A empresa considera que o investimento em Moçambique irá “beneficiar o comércio e o turismo”, assim como impulsionar a criação de emprego jovem no país.

“Nos próximos anos, iremos contratar cerca de mil moçambicanos para se juntarem às nossas operações globais”, referiu Hassan El-Houry.

As atividades agora anunciadas juntam-se às já coordenadas pela NAS, que opera várias infraestruturas no Aeroporto internacional de Maputo.

A NAS está presente em mais de 40 aeroportos no Médio Oriente, Ásia e África e emprega cerca de 8.000 pessoas.

Publicidade