A petrolífera italiana ENI confirmou esta terça-feira o potencial novo e adicional de mais de dois mil milhões de barris de petróleo, identificado nas recentes descobertas exploratórias realizadas no Bloco 15/06, onde é operadora.

A informação foi partilhada pelo CEO da ENI, Cláudio Descalzi, numa audiência concedida pelo Presidente de Angola, João Lourenço.

Segundo uma nota da petrolífera italiana, que opera em Angola desde 1980, a empresa está a assegurar para que o novo campo entre em produção, a partir de dezembro de 2019, garantindo assim um aumento da sua capacidade petrolífera, com a exploração de oito poços adicionais no Bloco 15/06.

“Apenas oito meses após o sucesso exploratório, prevê-se a entrada em produção do campo Agogo, localizado a cerca de 15 km (quilómetros) da FPSO N’Goma, no Bloco 15/06”, lê-se na nota.

O encontro serviu ainda para abordar a colaboração em curso entre a ENI e a Sonangol, petrolífera estatal angolana, para o aumento da eficiência da refinaria de Luanda e o apoio ao desenvolvimento de centrais de produção de gasolina, com vista à redução progressiva das importações de refinados de petróleo.

A parceria entre a ENI e a Sonangol inclui ainda o setor das energias renováveis, através da construção de uma central fotovoltaica no sul de Angola, onde a atual produção de eletricidade é feita através de centrais térmicas alimentadas a gasóleo.

Cláudio Descalzi informou que abordou também com o chefe de Estado angolano as novas iniciativas em desenvolvimento comunitário, para a eliminação de carbono das atividades da petrolífera italiana, bem como os recentes sucessos explorativos e as atividades da empresa no âmbito do ‘downstream’ (transporte e distribuição) e das energias renováveis.

No âmbito do modelo de promoção de projetos integrados, denominado “Programa de Desenvolvimento Local”, a ENI identificou um potencial significativo para o desenvolvimento de projetos, com intervenções nos setores da energia (cozinhas melhoradas, painéis solares), agricultura, água e saneamento, saúde e educação e gestão florestal sustentável, na província de Cabinda, onde a empresa explora o potencial de gás no bloco denominado Cabinda Norte.

O projeto para Cabinda é um investimento de cerca de dez milhões de dólares (9,130 milhões de euros), cuja previsão de implementação é apontada para 2020.

“A ENI promoverá os referidos projetos como parte de todos os contratos de petróleo nos quais é operadora em Angola, aplicando uma abordagem reconhecida internacionalmente que está alinhada com as estratégias de combate às alterações climáticas e com a agenda das Nações Unidas para 2030 e os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS)”, salienta a nota.

Angola é um país estratégico para o crescimento orgânico da ENI, contando atualmente com uma quota de produção de cerca de 145.000 barris de petróleo por dia.

Publicidade

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here