No passado dia 03 de maio, o Banco de Cabo Verde (BCV) informou que tinha aprovado a aquisição de participação de 27,44% das ações da Caixa Económica de Cabo Verde pela International Holding Cabo Verde (IHCV), considerando que esta garante “uma gestão sã e prudente” da instituição.

Segundo o BCV, a IHCV comunicou a esta entidade, em julho do ano passado, a sua intenção de “adquirir ações representativas de até 30% do capital social da Caixa Económica de Cabo Verde”.

Quatro meses depois, a GeoCapital — Gestão de Participações comunicou ao Banco Central cabo-verdiano a pretensão de “alienar as ações” que compunham a sua participação qualificada na Caixa Económica de Cabo Verde, representativas de 27,44% do capital social desta instituição financeira.

Após efetuadas as diligências previstas na lei, o conselho de administração do BCV deliberou, durante a reunião da sessão ordinária de 21 de dezembro de 2018, “aprovar a aquisição de participação qualificada correspondente a 27,44% das ações da Caixa Económica de Cabo Verde”.

Hoje, o Governo de Cabo Verde anunciou que vai realizar-se ao final do dia, na cidade da Praia, a assinatura do contrato de compra e venda das ações da Geocapital na Caixa Económica de Cabo Verde.

“A totalidade dessas ações, 27,44% do capital da instituição, vai ser adquirida pelo Estado de Cabo Verde”, lê-se no comunicado do executivo cabo-verdiano.

Segundo a mesma nota, “esta iniciativa do Governo enquadra-se no âmbito de transformar Cabo Verde num país plataforma de financiamento”.

A Caixa Económica foi criada a 18 de maio de 1928, tendo na altura a designação de “Caixa Económica Postal”.

Na altura, encontrava-se integrada no serviço dos “Correios e telegráficos”, com a tutela do Ministério das Telecomunicações.

Em dezembro de 1985, a Caixa foi transformada numa instituição financeira autónoma, com a designação de Caixa Económica de Cabo Verde, tutelada pelo Ministério das Finanças.

Publicidade