A mensagem, que não integra o canal oficial do movimento terrorista, foi divulgada na quinta-feira e é a segunda reivindicação de um ataque contra posições militares na província de Cabo Delgado que o grupo faz em cerca de uma semana.

Até ao momento, analistas e fontes no terreno contactadas pela Lusa rejeitaram a ligação destes ataques no norte do país a movimentos terroristas internacionais de extremismo islâmico, apontando tensões locais nas comunidades como causa dos casos de violência.

A mensagem fala dos agressores como “soldados do califado” que atacaram o “posto do exército cruzado moçambicano em Mbabu, há dois dias”.

Apesar da grafia, o anúncio alinha-se com os confrontos entre homens armados e as forças de segurança, em Mbau, Mocímboa da Praia, que ocorreram na noite de segunda para terça-feira e em que além das vítimas, várias casas, incluindo a sede da Frente de Libertação de Moçambique (Frelimo), partido no poder, foram incendiadas.

A reivindicação é acompanhada por uma foto de diversas metralhadoras AK alinhadas, juntamente com munições e outras armas que o grupo diz ter apreendido na sequência do ataque.

“Confrontaram-se com uma variedade de armas” e a violência levou “à morte e ferimento de vários elementos”, além de serem incendiadas “algumas casas de cruzados cristãos na vizinha do posto” do exército moçambicano, refere a mensagem.

As autoridades moçambicanas têm-se mantido em silêncio sobre os ataques em Cabo Delgado.

O grupo EI reivindicou pela primeira vez a 04 de junho uma ação no Norte de Moçambique, região afetada desde outubro de 2017 por ataques armados levados a cabo por grupos criados em mesquitas da região e que eclodiram em Mocímboa da Praia.

Como consequência já terão morrido, pelo menos, 200 pessoas, quase todas em aldeias isoladas e durante confrontos no mato, mas, nalgumas ocasiões, a violência já atingiu transportes na principal estrada asfaltada da região, bem como a área dos megaprojetos de exploração de gás – em que há várias empresas subempreiteiras são portuguesas

Autoridades e analistas ouvidos pela Lusa têm considerado pouco credível que haja um envolvimento genuíno do grupo terrorista nos ataques, que vá além de algum contacto com movimentos no terreno.

Publicidade