Execução económica “pior” do que as projeções do FMI

Publicidade