O presidente da Câmara de Energia Africana, NJ Ayuk, defendeu hoje que a exploração de gás em Moçambique tem de ser feita com transparência de políticas e de gestão, defendendo o envolvimento das populações nos projetos.

“É preciso integrar a população nos projetos, não apenas através das políticas de conteúdo local e pela criação de oportunidades de emprego para eles, mas também informando-os sobre o que está a ser desenvolvido, o que esperar e como os projetos de exploração de gás vão afetá-los e beneficiá-los”, defendeu o autor num artigo de opinião enviado à Lusa.

“Isto precisa de ser combinado com uma transparência absoluta e políticas de gestão de recursos, garantidas pelas instituições com a autoridade para implementar a regulação”, acrescentou o também autor do livro “Billions at Play: The Future of African Energy and Doing Deals”.

Publicidade