Quando forem 16 horas desta quinta-feira, a maior exposição de fotojornalismo mundial, designada World Press Photo, será inaugura, no Jardim Tunduru, na baixa da cidade Maputo. Esta iniciativa é trazida ao país pelo Fotojornalismo Mundial Moçambique, entidade que conta com o apoio da Embaixada do Reino dos Países Baixos.

Esta será a terceira vez que a exposição World Press Photo será acompanhada pelas melhores fotografias tiradas por fotógrafos moçambicanos e estrangeiros sobre o tema “Religião e Crenças” em Moçambique e no resto de África, “um tema em constante evolução e moldando a sociedade africana”, segundo a curadoria.

De acordo com um comunicado sobre o evento, “as fotos vencedoras serão do Concurso de Fotografia Moçambique 2018 seleccionadas com base nas habilidades, reflexão do tema e paixão pela fotografia, por um júri constituído por Babette Warendorf (curador da World Press Photo), Christine Cibert (curadora da França), Jesper Milner Henriksen (Centro de Documentação e Educação Fotográfica – CDFF), Mauro Pinto (fotógrafo moçambicano), Nii Obodai (fotógrafo de Gana) e Paulo Nunes (Prodata, distribuidor oficial da Canon).

No mês passado, fotógrafos nacionais foram chamados a entrar para o Concurso de Fotografia. Aí, inscreveram-se cerca de 40 profissionais e amadores. Os resultados deste concurso cujo prémio varia de valores monetários a materiais, garantindo aos três vencedores a oportunidade de participar da exposição global em 2019, serão anunciados na abertura da Exposição World Press Photo, a inaugurar já na nesta quinta-feira, 22, às 16 horas, uma cerimónia que será dirigida pelo Ministro da Cultura e Turismo, Silva Dunduro, com a presença da Embaixadora do Reino dos Países Baixos, Henny de Vries, e do edil da cidade de Maputo, David Simango.

A World Press Photo premia os fotógrafos pelas melhores imagens que contribuíram no ano anterior no jornalismo visual. É o principal concurso do mundo para fotógrafos profissionais de imprensa, fotojornalistas e fotógrafos de documentários. O Concurso de Fotografia de 2018 atraiu inscrições de todo o mundo: 4.548 fotógrafos de 125 países submeteram 73.044 imagens.

O júri seleccionou candidatos em oito categorias, incluindo a nova categoria de ambiente. Os vencedores são 42 fotógrafos de 22 países: Austrália, Bangladesh, Bélgica, Canadá, China, Colômbia, Dinamarca, Egipto, França, Alemanha, Irlanda, Itália, Noruega, Rússia, Sérvia, África do Sul, Espanha, Suécia, Holanda, Reino Unido, EUA e Venezuela.

Maputo junta-se assim, até 13 de Dezembro, a mais de 4 milhões de pessoas viram as imagens premiadas apresentadas em uma exposição itinerante em torno de 100 cidades em todo o mundo: de Amesterdão, a Washington, a Cali, a Islamabad, a Taipei. Os vencedores são 42 fotógrafos de 22 países: Austrália, Bangladesh, Bélgica, Canadá, China, Colômbia, Dinamarca, Egipto, França, Alemanha, Irlanda, Itália, Noruega, Rússia, Sérvia, África do Sul, Espanha, Suécia, Holanda, Reino Unido, EUA e Venezuela. Durante 22 dias em que decorre a exposição serão realizados debates, cujo arranque está para esta sexta-feira, no espaço Orange Corners da Embaixada do Reino dos Países Baixos, em Maputo, workshops para fotógrafos profissionais e amadores e visitas guiadas à exposição no jardim Tunduru, todos os sábados e domingos, orientada por Babette Warendorf, curador da World Press Photo.

Publicidade