A unidade vai ser erguida na localidade de Quivinca Nvemba, nos arredores da cidade do Soyo, numa área de 100 hectares, podendo empregar três mil pessoas na fase de construção, anunciou o director de Projectos da Eni Angola, Kresimir Vujec, à vice-governadora do Zaire para o sector Técnico e Infraestruturas, Ângela Diogo.

Kresimir Vujec indicou que o gás natural produzido pelo consórcio, integrado, além da Eni Angola, pela Sonangol Pesquisa e Produção, British Petroleum, Cabinda Gulf Oil Company (Cabgoc, subsidiária da Chevron) e a Total Exploração e Produção, terá como principal cliente a Angola LNG.

De acordo com o director de Projectos da Eni Angola, decorrem, neste momento, as acções preliminares, que passam pela apresentação do projecto aos membros do Governo local, após o que se segue uma consulta pública, desminagem da área em que será construída a fábrica, levantamento de dados gerais sobre o projecto e, por fim, o estudo de impacto ambiental, o que ocorre ao longo de dois anos.

O responsável notou que o projecto não terá a mesma complexidade da fábrica do Angola LNG, mas poderá fornecer cerca de 40 por cento de gás necessário para o funcionamento da unidade desta companhia implantada no Soyo.

O gás é obtido de uma antiga área pertencente ao projecto Angola LNG designada “Maboqueiro”, a qual deve ser, nos próximos dias, transferida para o Novo Consórcio, com a fábrica a ser alimentada por gasodutos que vão conduzir gás associado e não associado das instalações de produção na zona marítima dos Blocos 0, 1, 2, 14, 15, para a planta de tratamento e processamento de Gás Natural Liquefeito, de Gás de Petróleo Liquefeito (LPG) e condensados.

Kresimir Vujec realçou, na ocasião, que a nova fábrica poderá também fornecer gás a outras empresas interessadas, como é o caso do Ciclo Combinado do Soyo, unidade de produção de energia interligada à rede nacional de fornecimento de electricidade.

“Este é mais um projecto ambicioso do sector dos Petróleos que poderá proporcionar muitos empregos a jovens, além de catapultar os sectores Económico e Social, contribuído para a melhoria das condições de vida das populações”, declarou a vice-governadora do Zaire na apresentação do projecto.

O Novo Consórcio de Gás foi instituído em finais de Ou-tubro, por um acordo com a Agência Nacional de Petróleo, Gás e Biocombustíveis (ANPG), resultando na adição de novos fornecedores à carteira do Angola LNG que, além de operadores de águas profundas, passa a incluir produtores dos campos de gás não associado da zona Norte do país.

Publicidade