A Nike, Spotify, Oracle, AOL e Nissan estão entre as 61 empresas que tiveram autorização da Facebook para aceder a dados dos utilizadores da rede social, mesmo que estes tivessem bloqueado esse acesso.

Num conjunto de respostas escritas, enviadas ao congresso dos Estados Unidos, a Facebook fez saber que concedeu várias ligações a essas empresas para acederem ao perfil de utilizadores, bem como a dados da rede de “amigos” destes.

De acordo com o “The Guardian”, em abril de 2014, a Facebook introduziu novas regras – mais rigorosas, idealmente – para aplicações de terceiros. A empresa que gere a rede social mais famosa do mundo deu a essas empresas um ano para se adaptarem às novas regras antes de forçar restrições no acesso aos dados pessoais de utilizadores.

No entanto, 60 empresas foram abrangidas por uma espécie de regime de exceção e receberam ligações durante seis meses para dados de milhões de utilizadores do Facebook. O jornal britânico sublinha o caso da Serotek, que recebeu uma extensão de oito meses.

Esta revelação contradiz as afirmações de Mark Zuckerberg, co-fundador e CEO da Facebook, prestadas no congresso norte-americano, onde explicou que, desde 2014, as aplicações de empresas terceiras não tinham acesso aos dados dos utilizadores da rede social.

Desde março deste ano que a Facebook tem sido alvo de várias críticas, após ter sido divulgado que a consultora Cambridge Analytica tinha acedido aos dados pessoais de milhões de utilizadores da rede social, sem autorização.

O escrutínio tem sido muito elevado, com a empresa de Zuckerberg a ser pressionada para revelar mais detalhes sobre o seu modelo de negócio e como cede informações a terceiros.

Publicidade