“Se não vencer, será uma desilusão para mim. Somos favoritos, estamos a jogar em casa. Não tenho problema nenhum em assumir isso. Mas, do outro lado, está uma equipa que é também candidata a vencer. Estou convencido que, com as nossas armas, vamos vencer”, afirmou Fernando Santos.

O selecionador português falava aos jornalistas no Estádio da Luz, na conferência de imprensa de antevisão do encontro da primeira jornada do Grupo B, agendado para sexta-feira e que vai decorrer no reduto dos `encarnados`.

“Em teoria, os dois grandes adversários são Ucrânia e Sérvia. Lituânia e Luxemburgo são jogos em que, por exemplo, as coisas podem correr menos bem. A Ucrânia foi campeã do seu grupo na Liga das Nações e para o ano estará na elite. Temos de respeitar. É uma equipa tecnicista, que gosta de ter a bola e construir”, disse o técnico de 64 anos.

Apesar de Portugal ter iniciado as qualificações para Euro2016 e Mundial2018 com derrotas, perante Albânia (1-0, em casa) e Suíça (2-0, fora), respetivamente, Fernando Santos negou que exista algum “fantasma” nesse sentido.

“Estamos a preparar o jogo de amanhã [sexta-feira] para ganhar. Não temos fantasmas de não conseguirmos vencer o primeiro jogo. Realmente, é um facto. Começámos esses dois apuramentos a perder, mas também é verdade que acabámos os dois em primeiro. Ás vezes, infelizmente, as pessoas só tentam ver as partes negativas”, lamentou.

Sobre a preparação para o duelo com os ucranianos, o selecionador nacional explicou que, nesta fase da época, alguns jogadores juntam-se aos trabalhos da equipa já com muitos jogos disputados pelos seus clubes e que isso dificulta a preparação.

“Temos aqui jogadores com 50 ou mais jogos nas pernas. Praticamente não há treino, mas sim recuperação. Segunda-feira fizemos recuperação, terça-feira fizemos recuperação, quarta-feira conseguimos treinar uma horinha e hoje novamente recuperação, porque amanhã [sexta-feira] há jogo”, contou.

Na última pergunta da conferência de imprensa, Fernando Santos foi questionado se estava a ter “dores de cabeça” em montar o `onze` para defrontar a Ucrânia, devido ao número de opções que tem, e o selecionador nacional acabou por brincar com a situação.

“Tenho 65 anos, não cheguei agora ao mundo. Já estou cá há algum tempo. Se tenho dores de cabeça, vou à farmácia comprar uma aspirina. Se tivesse dores de cabeça, depois não conseguia dormir e eu gosto bastante de dormir”, concluiu.

A seleção nacional vai disputar o Grupo B de apuramento, que inclui ainda Sérvia, adversário na próxima segunda-feira, igualmente na Luz, Lituânia e Luxemburgo.

Pela primeira vez, a fase final do Campeonato da Europa vai decorrer em 12 cidades de 12 países diferentes, com Londres a receber os jogos das meias-finais e da final.

O Portugal-Ucrânia está agendado para as 19h45 de sexta-feira e vai ser arbitrado pelo francês Clément Turpin.

Publicidade