Sabe a informação que vai deixando em aplicações e sites? Já aconteceu pesquisar um produto num determinado site e, em poucos segundos, ver o mesmo produto aparecer num anúncio do Facebook? É muito provável que, dada a enorme quantidade de sites e aplicações que usa ao longo do tempo, não tenha uma completa noção do cenário. E muito menos de que tipo de informação chega às mãos do Facebook.

Esta semana, através de uma publicação, o Facebook anuncia o lançamento da ferramenta “Off-Facebook Activity”, que tenta dar alguma luz ao utilizador sobre esta situação. A funcionalidade permite que os utilizadores vejam um resumo deste bolo de dados, para que possam gerir e apagar a informação que site e aplicações podem partilhar com o Facebook.

“Muitas aplicações e sites são gratuitos porque são suportados por publicidade online. Para chegar a mais pessoas que possam estar interessadas naquilo que vendem, os negócios partilham frequentemente dados das interações das pessoas com o seu site com plataformas de anúncios e outros serviços”, indica a publicação do Facebook, assinada por Erin Egan, responsável de privacidade do Facebook e David Baser, diretor de gestão de produto. Explicando que “é assim que a internet funciona”, mas que muitas pessoas não conseguem ter percepção da informação partilhada, a empresa lança a ferramenta.

Em linhas gerais, será apresentado um sumário das aplicações e sites que partilham informação sobre a sua atividade online com a empresa de Zuckerberg. Caso queira, será possível apagar também algumas destas informações, garante a rede social. Além disso, será também possível escolher se quer “desligar” a sua conta do Facebook deste tipo de partilha de informação.

O que é que acontece se eliminar alguma informação do resumo? Na mesma publicação, o Facebook indica que “a informação será removida dos dados fornecidos pelas aplicações e sites”. Mas também é deixado claro que a rede social “espera que possa ter algum impacto no negócio”.

Trata-se de mais um dos esforços de transparência do Facebook, que foi recentemente alvo de uma multa, na sequência do caso Cambridge Analytica, em que os dados de utilizadores foram usados para campanhas políticas.

Por agora, a nova ferramenta só está disponível em países como Irlanda, Espanha e Coreia do Sul, mas a empresa de Zuckerberg explica que irá gradualmente alargar a disponibilidade desta ferramenta a mais países, ao longo dos próximos meses.

Publicidade