A 21.ª edição do “mais cosmopolita de todos os festivais portugueses” – nas palavras do diretor artístico e de produção, Carlos Seixas – arrancou, como tem sido hábito, em Porto Covo, no dia 18, e está instalada, desde domingo e para “os dias mais calmos”, na vila de Sines.

Em seis dias já completados, realizaram-se 22 concertos, mas mais de metade da programação (29 concertos, num total de 51) vai acontecer de hoje até sábado, dia 27.

Hoje, o castelo abre portas com Ethno Portugal, às 18h00, seguindo-se Melanie de Biasio (21h00), Nubya Garcia (22h15), Dino D’Santiago (23h30) e Labrassbanda (00h45). A música move-se depois para a Avenida Vasco da Gama, com Al-Qasar (2h30) e Santrofi (3h45).

Para os dias que se seguem, o programador Carlos Seixas destaca, na quinta-feira, os galegos Banda das Crechas, os britânicos Kokoroko e os palestinianos Le Trio Joubran.

O dia 26, sexta-feira, vai ter Chico César e, também do Brasil, Rincon Sapiência, e ainda o sírio Omar Souleyman, que estará no Festival Músicas do Mundo pela primeira vez.

Para o último dia, sábado, estão agendadas as atuações de, entre outros, Ladysmith Black Mambazo, Batida, Inner Circle e António Marcos.

Com um orçamento que prevê uma despesa de 860 mil euros e uma receita de 550 mil euros, segundo dados fornecidos pela organização, o FMM é organizado e financiado pela autarquia de Sines.

Publicidade