“O povo moçambicano vai assumir o compromisso claro e inequívoco de fazer de Moçambique um país que combate de forma enérgica a corrupção”, declarou Filipe Nyusi, líder da Frelimo e chefe de Estado, falando na abertura da sessão extraordinária do Comité Central do partido, hoje na cidade da Matola, província de Maputo, sul de Moçambique.

O Comité Central do partido no poder há 44 anos em Moçambique está reunido na cidade da Matola, a cerca de 15 quilómetros da capital do país, para debater e aprovar o manifesto da campanha eleitoral visando as eleições gerais de 15 de outubro.

Filipe Nyusi, que é candidato a um novo mandato de cinco anos pela Frelimo, apontou igualmente a promoção da ética governativa como prioridade, caso triunfe nas eleições gerais.

“A ética governativa e a integridade serão fundamentais para o fortalecimento das instituições do Estado”, frisou o presidente da Frelimo.

Filipe Nyusi declarou que a manutenção da paz, desenvolvimento humano, social e económico estarão igualmente no centro da ação governativa da Frelimo.

“Os moçambicanos sem distinção da sua origem étnica, cor tribo, raça género e religião nunca devem ser excluídos, são e serão sempre o ponto de partida e de chegada da nossa ação governativa”, frisou o presidente do partido no poder.

Várias figuras ligadas ao partido no poder em Moçambique encontram-se detidas por alegado envolvimento em casos de corrupção, com realce para o escândalo das chamadas dívidas ocultas.

Moçambique terá a 15 de outubro próximo as sextas eleições gerais desde a introdução do multipartidarismo pela Constituição da República d 1990.

Publicidade