Este domingo, Jorge Jesus tinha a possibilidade de completar uma semana perfeita no Brasil: começou na semana passada, com a goleada perante o Vasco da Gama num dos dérbis do Rio de Janeiro; continuou com a vitória no Maracanã, contra o Internacional, que coloca o Flamengo em boa posição para passar às meias-finais da Taça Libertadores; e podia acabar com um resultado positivo no terreno do Ceará que valia a liderança do Brasileirão. Com o jogo do Palmeiras de Scolari a ser adiado e o empate do Santos, que esteve a ganhar 3-0 ao Fortaleza para depois permitir três golos, Jorge Jesus podia chegar ao primeiro lugar da liga brasileira em cenário de vitória.

Ainda assim, a semana do Flamengo acabou por ser manchada por um episódio fora dos relvados que pode deixar o treinador português desprovido de um dos seus principais jogadores. Gustavo Cuéllar, médio colombiano que é normalmente titular no meio-campo do Flamengo, pediu dispensa do jogo deste domingo com o Ceará alegando “motivos pessoais”: o clube não só negou a autorização a Cuéllar como emitiu um comunicado onde explica que “discorda do posicionamento do atleta” e decreta a suspensão do colombiano “por tempo indeterminado”. O médio, que esteve na Copa América com a seleção da Colômbia, é um dos favoritos dos adeptos do Flamengo e um elemento importante para Jorge Jesus mas demonstrou nas últimas semanas vontade de deixar o Rio de Janeiro. O episódio do pedido de dispensa terá sido a gota de água para a direção do clube brasileiro, que deixa agora em stand by um dos jogadores mais importantes da equipa.

Quem pode servir como desbloqueador do dossiê, para um lado ou para o outro, é Jorge Jesus. Segundo a comunicação social afeta ao Flamengo, a opinião do treinador tem cada vez mais influência junto da cúpula do clube e uma afirmação de Jesus — quer seja a favor da permanência de Cuéllar ou a favor da saída de Cuéllar — pode perfeitamente ser empurrão necessário para o decidir da situação. E a verdade é que a influência de Jorge Jesus, em curva ascendente nos corredores do Maracanã, também está a crescer junto dos adeptos e do circuito mais próximo do Flamengo. Nas redes sociais, onde anteriormente se testemunhava um sem fim de críticas às táticas do treinador, às escolhas do treinador, às opções do treinador, vêem-se agora centenas de elogios a Jorge Jesus, que é já um técnico “bom demais”, como se ouvia este domingo na transmissão do jogo com o Ceará.

Na antecâmara da visita ao Ceará, o treinador português fazia cinco alterações em relação ao onze que jogou contra o Internacional, numa clara poupança dos habituais titulares para atacar a segunda mão dos quartos da Libertadores. Saíam Filipe Luís, Rafinha, Éverton e Bruno Henrique, para além do obrigatório Cuéllar, e entravam João Lucas, Renê, Piris, Gerson e Berrío. Na primeira parte, contra um Ceará que à entrada para o jogo estava em 13.º lugar, o Flamengo não entrou muito forte, com dificuldades em chegar com a bola controlada ao último terço do adversário — ainda assim, permanecia a equipa mais consciente e paciente, à espera das subidas do Ceará para depois avançar de forma ponderada.

Depois de uma grande oportunidade que Berrío desperdiçou — o colombiano atirou por cima na cara do guarda-redes adversário depois de uma arrancada de Gabigol pela esquerda (15′) –, o Flamengo chegou à vantagem por intermédio do central Pablo Marí. Numa jogada claramente ensaiada, a partir de um lançamento de linha lateral na esquerda, Berrío deixou a bola à mercê de Pablo Marí e o espanhol atirou de forma indefensável para inaugurar o marcador (22′). O Ceará ficou muito perto de empatar logo no lance seguinte mas João Lucas evitou o golo em cima da linha e manteve a equipa de Jorge Jesus em vantagem. Até ao intervalo, o Flamengo ainda conseguiu chegar ao segundo golo, no culminar de um lance coletivo impressionante (a bola só não passou por um jogador) que voltou a ter Berrío na assistência mas que desta vez foi concretizado por Gabigol (35′).

Na segunda parte, o jogo perdeu alguma qualidade e tornou-se mais físico. Num encontro com três golos anulados por fora de jogo — dois ao Ceará, um ao Flamengo –, Leandro Carvalho ainda foi o protagonista de um episódio que deixou o estádio em suspenso. O jogador do Ceará chocou de cabeça com Renê e perdeu os sentidos durante alguns instantes, acabando por sair de ambulância e imobilizado. Jesus ainda lançou Bruno Henrique e Rafinha, numa tentativa não só de segurar o corredor direito, por onde a equipa adversária estava a procurar entrar, mas também de ir à procura do terceiro golo que colocaria um ponto final decisivo na partida. O terceiro golo (que pode ver no vídeo em baixo) só apareceu já no final de um longo período de descontos, devido à assistência a Leandro Carvalho, mas mereceu a espera: o uruguaio Arrascaeta marcou de pontapé de bicicleta quase à entrada da grande área depois de um cruzamento a partir da esquerda e deixou em êxtase os 15 mil adeptos do Flamengo que viajaram desde o Rio mas também os do Ceará, que acabaram por aplaudir, num momento que lembrou o golo de Cristiano Ronaldo ainda ao serviço do Real Madrid que foi celebrado também pelos apoiantes da Juventus.

Jorge Jesus chega à liderança do Brasileirão e fica com os mesmos 33 pontos do Santos mas com uma melhor diferença de golos. A meio da semana, na madrugada de quarta para quinta-feira, o Flamengo desloca-se ao recinto do Internacional para a segunda mão dos quartos da Libertadores (1h30) e no domingo recebe no Maracanã o Palmeiras de Scolari (20h).

Publicidade