Mais de duas dezenas de escritores de 11 países já têm presença confirmada na 5.ª edição do Folio — Festival Literário Internacional de Óbidos, que acontecerá nos próximos dias 10 a 20 de outubro, segundo a organização.

O festival, que decorre este ano em torno do tema “O Tempo e o Medo”, conta com escritores como Hélia Correia, Prémio Camões, e o brasileiro Geovani Martins, o francês Mathias Énard, autor do romance “Bússola”, Prémio Goncourt 2015, e Frédéric Martel, que escreveu “No Armário do Vaticano”.

No que diz respeito a autores portugueses, segundo a organização, estão confirmadas as presenças dos escritores Alexandre Andrade, Dulce Maria Cardoso, Gonçalo M. Tavares, Hélia Correia, José Eduardo Agualusa, José Gil, Lídia Jorge, Nuno Júdice, Ricardo Araújo Pereira e Valter Hugo Mãe.

Na lista divulgada esta segunda-feira pela organização, entre os 11 países representados, o Brasil é, por enquanto, aquele que tem mais nomes confirmados.

Geovani Martins, autor de “O Sol na Cabeça” e um dos mais recentes fenómenos literários do seu país, é um dos escritores que participará nas mesas de autor a par do poeta Francisco Bosco e de Paulo Werneck, editor da Revista dos Livros 451, de São Paulo.

Os franceses Mathias Énard e Frédéric Martel, Donald Ray Pollock, dos EUA, que escreveu “Banquete no Paraíso”, Ralph Rothmann (Alemanha), Arne Dahl (Suécia), Christoffer Petersen (Dinamarca/Gronelândia), Elena Varvello (Itália), autora de “A Vida Feliz”, Zeruya Shalev (Israel), que escreveu “Dor”, Marina Perezagua (Espanha), com “Yoro” e os contos de “Tempestade” publicados em Portugal, e Ece Temelkuran (Turquia), autor de “Como Perder um País”, são outros escritores que, segundo a organização, vão marcar presença na vila de Óbidos durante a edição de 2019 do Fólio.

Entre as novidades da próxima edição conta-se a escolha de jornalista Ana Sousa Dias para curadora do Folio Autores, capítulo do festival que leva à vila dezenas de escritores e pensadores para as mesas de debate. A curadoria será repartida com Pedro Sousa, da Sociedade Vila Literária, que transita da última edição.

No Folio Educa mantém-se a curadoria de Maria José Vitorino e, no Folio Ilustra, a de Mafalda Milhões. A Folia ficará, tal como na edição anterior, sob a responsabilidade da empresa municipal Óbidos Criativa, liderada por Ricardo Ribeiro.

Por último, o Folio +, o capítulo mais alternativo do festival, ficará a cargo da Livraria Ler Devagar, gerida por José Pinho.

O festival teve a sua primeira edição em 2015, num investimento de meio milhão de euros, comparticipados por fundos comunitários.

Palco de lançamentos de livros, debates, mesas redondas, entrevistas, sessões de autógrafos e conversas, entre escritores e leitores, o Folio passou no ano seguinte a ser suportado pela autarquia que, para este ano, prevê um orçamento similar.

A edição do ano passado proporcionou 831 horas de programação, envolvendo 554 participantes diretos, entre autores, pensadores, artistas e criativos, que participaram em 26 mesas de escritores, 25 concertos e 13 exposições, ao longo de 11 dias com mais de 185 atividades.

Publicidade