O governo são-tomense deliberou sobre uma nova projeção urbanística do País, tendo anunciado a construção de uma nova cidade de São Tomé e uma Universidade Panaafrica , anunciou quinta-feira o porta-voz do executivo, Adelino Lucas, secretário de Estado para Comunicação Social.

Num comunicado do conselho de ministros lido a imprensa, Adelino Lucas disse que além da decisão de “retoma do processo de construção da nova cidade de São Tomé, na zona de Conga”, em São-Tomé, o governo aceitou ainda “a proposta para construção e instalação de uma universidade panaficana de desenvolvimento que deverá servir como polo de formação para a lusofonia e para a sub-região africana” do golfo da Guiné.

 O porta-voz informou também que “ o governo analisou ainda a proposta da nova grelha salarial nacional, e deliberou para a produção de estudos mais aprofundados, junto de sectores competentes e auscultação de parceiros socias, nomeadamente, os sindicatos e os partidos políticos, suas vantagens e impacto na vida das populações”.

Tendo-se congratulado com “ uma significativa redução de casos de paludismo e que trabalhos em cursos indicam para uma possível eliminação da doença a escala nacional em 2025, Lucas disse que o executivo congratulou-se ainda com resultados das negociações petrolíferas em curso com a Guiné-Equatorial.

 Além de referencias positivos aos trabalhos técnicos de consultoria em cursos visando a digitalização da radio e televisão são-tomense, o governo garantiu o stok de combustíveis, prevendo-se para próximos dias chegada ao País de novos carregamentos.

O governo debruçou-se sobre análise do programa das celebrações do 3 de Fevereiro, tendo orientado os ministros das áreas da Cultura e da Juventude e Desporto no sentido de agirem para que as condições necessárias sejam criadas visando a celebração condigna de mais um aniversário do Massacre de 1953 em Fernão Dias.

Publicidade