O ministro são-tomense das Obras Públicas, Infraestruturas, Recursos Naturais e Ambiente anunciou que a China vai iniciar ainda este ano a construção de 60 dos 200 apartamentos a serem construídos nos próximos quatros anos em São Tomé e Príncipe  com assistência chinesa no âmbito da cooperação bilateral.

Osvaldo d’Abreu fez esta declaração sexta-feira no final da cerimónia de apresentação do projecto diante a equipa da cooperação chinesa bem como os técnicos são-tomenses afecto ao seu ministério.

“ Agora com apresentação do projecto final seguir-se-á para os procedimentos normais das instituições chinesas com lançamento de concurso e seleção de empresa que deverá implementar este projecto” disse o governante tendo admitido o início das obras para “meados do segundo semestre deste ano”.

Além da perspetiva de solução no que tanque a questão habitação no País , o ministro destacou ainda que o projecto defende 80 por cento de participação de mão-de-obra sã-tomense num ótica de combate ao desemprego.

 “ Para esta fase vamos arrancar com 60 casas sociais, distribuídos em cinco edifícios de três pisos cada” disse Osvaldo d’Abreu que falou de prioridade de construção em zonas mais distantes e de maior carência.

 “ Para esta fase três edifícios serão construídos no distrito de Cantagalo e dois em Lobata,” – disse tendo sublinhado que “seguir-se-ão outras fases, porque o compromisso que o governo tem com a China são de pelo menos 200 casas neste período de quatro anos”.

Apresentação deste projecto de casas sociais com apoio de Pequim acontece três semanas depois do Primeiro-Ministro, Jorge Bom Jesus ter visitado China, onde encontrou-se com o seu homologo chinês com quem abordou a questão de cooperação bilateral.

Publicidade