Um estudo sobre essa interconexão foi apresentado hoje na reunião do Conselho de Ministros pelo ministro das Obras Públicas, Salvador Soares dos Reis Pires, e por especialistas em energia do Banco Mundial.

“O estudo apresenta ainda recomendações para a troca da fonte energética utilizada nas centrais elétricas, passando do gasóleo para óleos combustíveis pesados ou Gás Natural Liquefeito (GNL), o que poderá representar uma redução de custos de 30% por ano”, refere o Governo em comunicado.

O estudo hoje apresentado, explica-se no comunicado, “apresenta as possíveis vantagens da interconexão regional dos sistemas de energia elétrica, com a possibilidade de Timor-Leste comercializar eletricidade com a Indonésia, ao exportar o seu excedente para Timor Ocidental que tem capacidade insuficiente”.

Atualmente, o sistema elétrico timorense é garantido através de centrais elétricas a diesel, o que representa um custo significativo para os cofres do Estado.

O Orçamento Geral do Estado (OGE) para este ano, por exemplo, destina 88,7 milhões de dólares (79,6 milhões de euros) para “a compra de combustível e a manutenção de geradores elétricos em Hera e Betano”, duas localidades respetivamente na costa norte e na costa sul do país.

“O GNL, além da redução de custos, é igualmente uma fonte energética menos poluente e mais eficiente”, sublinha.

O Governo deu poderes a Salvador Soares para iniciar estudos de viabilidade de projeto e para iniciar negociações “com entidades relevantes do Governo Indonésio para a interconexão regional”.

O comunicado não define um calendário para o projeto.

Publicidade