O acordo sobre a desmilitarização da Resistência Nacional Moçambicana (Renamo) “é um passo extraordinariamente importante, com um significado extraordinário”, declarou Graça Machel, citada hoje pelo jornal Notícias, o principal diário moçambicano.

O entendimento entre Filipe Nyusi e o líder interino da Renamo, Ossufo Momade, corresponde aos anseios e compromisso do país de alcançar uma paz duradoura, acrescentou.

“Depois de muitos anos, temos a aceitação de que não só somos irmãos, como temos um Estado único”, acrescentou Graça Machel.

No dia 06 deste mês, o Presidente moçambicano anunciou a assinatura de um memorando de entendimento entre o Governo e a Renamo, sobre a desmilitarização e a integração das forças do principal partido da oposição no exército e na polícia.

O chefe de Estado moçambicano não avançou detalhes sobre o conteúdo do documento, mas afirmou que se trata de um instrumento “determinante” nas negociações de paz com o falecido líder da Renamo, Afonso Dhlakama, que morreu em 03 de maio devido a complicações de saúde.

Além do desarmamento e da integração dos homens do braço armado do maior partido da oposição nas Forças Armadas, a agenda negocial entre as duas partes envolvia a descentralização do poder, ponto que já foi ultrapassado com a revisão da Constituição, em julho.

Publicidade