A iniciativa simbólica foi organizada pelo Fórum da Paz, um projeto que está a ser desenvolvido na Guiné-Bissau desde 2014 entre o grupo Teatro do Oprimido e fórum alemão para a paz mundial.

“O objetivo desta iniciativa de trazer o Cabral para exercer o seu dever cívico é para estimular a população para votar no domingo e também para apelar aos candidatos às eleições presidenciais para terem mais contenção verbal nestes últimos dias de campanha e evitarem acusações, insultos e que digam quais são os seus objetivos claros”, disse à Lusa José Carlos Correia.

Segundo o coordenador do Fórum da Paz, a iniciativa pretende também pedir à Comissão Nacional de Eleições para ser o “mais transparente possível” e lembrar aos guineenses que aquele órgão é o único que “pode divulgar os resultados” das eleições presidenciais de domingo.

A iniciativa do Fórum da Paz pretende também reforçar que “quem dá o mandato é o povo guineense e que os candidatos devem aceitar os resultados eleitorais”, acrescentou José Carlos Correia.

Depois de votar, o boneco de Amílcar Cabral fez um pequeno passeio por Bissau, que terminou na Assembleia Popular Nacional.

Mais de 700.000 eleitores guineenses são chamados às urnas no domingo para escolherem entre 12 candidatos o próximo Presidente da Guiné-Bissau.

Publicidade