“Estamos determinados e vamos com certeza cumprir com o nosso papel que é o de garantir a segurança para que tudo se desenrole na completa normalidade e de forma ordeira”, afirmou Juliano Fernandes.

O ministro do Interior falava à margem de uma cerimónia de entrega de fardas à Guarda Nacional.

O governante explicou que há um comando conjunto das forças de segurança e de defesa, que inclui também elementos da Organização das Nações Unidas e da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO).

A CEDEAO tem destacada na Guiné-Bissau uma missão de interposição, denominada Ecomib.

“As atividades vão começar no início de novembro. O conjunto de elementos das forças de segurança que serão destacados vão ser anunciados no início de novembro”, esclareceu.

O ministro disse também que todos os candidatos admitidos pelo Supremo Tribunal de Justiça para participar nas presidenciais, de 24 de novembro, têm direito a segurança, bem como as suas sedes de candidatura.

“O que pedimos é que solicitem já”, disse Juliano Fernandes.

O titular da pasta do Interior acrescentou que “a confiança dos próprios candidatos nas forças de segurança é fundamental”.

“Queremos dizer que os elementos destacados estarão imbuídos de uma única preocupação que é o cumprimento do seu papel”, salientou.

A Guiné-Bissau realiza presidenciais a 24 de novembro, e a segunda volta, caso seja necessária, vai decorrer a 29 de dezembro.

A campanha eleitoral começa a 01 de novembro e decorre até 22 de novembro.

Publicidade