“Hoje não é o fim, mas uma transferência. A partir de hoje passamos todos para a sede de candidatura do general Umaro Sissoco Embaló”, afirmou José Mário Vaz, na sua sede de candidatura na presença de dezenas dos seus apoiantes.

Antes de assinar o acordo político com Braima Camará, coordenador do Movimento para a Alternância Democrática (Madem-G15), partido que apoia o candidato Umaro Sissoco Embaló, José Mário Vaz pediu autorização aos seus apoiantes para assinar o acordo.

“Posso assinar?”, questionou os apoiantes, que responderam que sim, para acrescentar que aquela assinatura não era só dele, mas de todos.

Braima Camará, que assinou o acordo em nome de Umaro Sissoco Embaló, destacou aquelas que considerou serem as obras do Presidente cessante.

“José Mário Vaz marcou a sua época e a história positiva da Guiné-Bissau. Isto foi o fim de uma etapa, mas o início de outra de grande responsabilidade”, disse.

O coordenador nacional do Madem-G15 recordou que José Mário Vaz foi o primeiro Presidente do país a terminar o seu mandato, que quando foi presidente da Câmara de Bissau a cidade era limpa e que foi um “dos melhores ministros das Finanças” do país.

José Mário Vaz não passou à segunda volta das eleições presidenciais na Guiné-Bissau, marcadas para 29 de dezembro, tendo obtido 12,41% dos votos.

A segunda volta das presidenciais vai ser disputada entre Domingos Simões Pereira e Umaro Sissoco Embaló.

Publicidade