“É um virar de página, queremos dar este sinal, que aliás vem na sequência de outros esforços feitos no âmbito do Orçamento Geral do Estado de 2017, com o financiamento de todo o processo de atualização da cartografia eleitoral”, afirmou o ministro João Fadiá.

O governante falava durante a assinatura do Projeto de Apoio à Organização das eleições legislativas de 2018.

“Mais adiante se houver mais condições não deixaremos de assumir a nossa responsabilidade, porque quem deve organizar e sustentar todo o processo eleitoral devem ser as autoridades do país, que naturalmente têm o maior interesse”, salientou o ministro das Finanças.

O projeto de apoio foi assinado entre o Governo da Guiné-Bissau e o representante especial do secretário-geral da ONU para o país, Modibo Touré, que também representou a União Europeia.

Na cerimónia, Modibo Tourá sublinhou que a “participação na vida política é uma pedra angular da democracia e uma forma fundamental dessa participação é a eleição dos seus representantes de forma livre, justa e transparente”.

O projeto hoje assinado visa registar os eleitores de “forma fiável” para as legislativas de 2018 e a “realização de eleições transparentes e credíveis, organizadas de acordo com a legislação nacional e os padrões internacionais”, refere, em comunicado, a representação da União Europeia, em Bissau.

Assistiram à assinatura do acordo o representante da União Africana em Bissau, Ovídeo Pequeno, bem como representantes do corpo diplomático.

O Presidente da Guiné-Bissau ouviu recentemente os partidos políticos do país para decidir a data das próximas eleições legislativas, que devem acontecer até ao final de 2018.

Publicidade