O Presidente guineense, José Mário Vaz, almoçou na quinta-feira com os oficiais das Forças Armadas, sem que os jornalistas pudessem testemunhar o inédito acontecimento.

Falando numa conferência de imprensa, o líder do PAIGC, partido mais votado nas últimas eleições legislativas guineenses, considerou que “normalmente é o ministro da Defesa que deve manter contactos diretos com os militares”, mas tendo o Presidente tomado a iniciativa, disse que a mesma deve ser aceite.

“O que nós questionamos é a pertinência pelo seu momento e o conteúdo das comunicações que lá foram feitas”, defendeu Domingos Simões Pereira, revelando ter tido conhecimento que José Mário Vaz teria sugerido um outro encontro “mais restrito” para informar os militares dos propósitos da visita.

“O Presidente da República passa uma mensagem completamente errada quando a meio da sua intervenção diz que não tem condições de dizer tudo o que o levou ao Estado-Maior”, afirmou o líder do PAIGC.

Domingos Simões Pereira disse estar “muito bem informado” sobre o teor das conversas entre José Mário Vaz e os militares e lamenta que o Presidente do país “precise de reuniões restritas” para comunicar decisões.

“Um comandante em chefe das Forças Armadas fala para a Nação, não fala para grupo de pessoas e não pode ter segredos com as chefias militares”, observou o líder do PAIGC, deixando mensagens à classe castrense.

“Já é muito difícil acreditar no Presidente da República, mas nos queremos continuar a acreditar nos militares”, sublinhou Simões Pereira, a quem exorta no sentido de não deixarem que a credibilidade da instituição que representam seja posta em causa.

De acordo com o líder do PAIGC, a atuação de alguns setores políticos guineenses vai no sentido de busca de solidariedade para as 19 personalidades do país alvos de sanções decretadas pela Comunidade Económica de Estados da África Ocidental (CEDEAO).

Domingos Simões Pereira defende que “quem tem responsabilidades no cartório deve pagar pelos seus erros”, sem que isso signifique colocar em causa a soberania e a integridade territorial da Guiné-Bissau.

“A CEDEAO tomou as decisões que tomou porque a Guiné-Bissau é parte integrante desta organização sub-regional”, notou Domingos Simões Pereira, frisando que se o país se sentir lesado pode sempre recorrer às instâncias internacionais, sem, no entanto, se esquecer que faz parte da comunidade internacional, disse.

Publicidade