Guiné-Bissau: “São eleições cruciais”, avalia economista guineense Carlos Lopes

Publicidade