A União Nacional dos Trabalhadores da Guiné (UNTG) vai iniciar esta terça a terceira vaga de greve de três dias para pressionar o governo a satisfazer as suas reivindicações de reajuste salarial entre outras.

O secretário-geral da Central sindical, Júlio António Mendonça que falava hoje em conferência de imprensa disse que o primeiro-ministro tem evocado sempre a aplicação do decreto nº1/2017 de 25 de janeiro no ser artigo 15, relacionado a necessidade de controlo das recietas públicas, mas que o mesmo decreto, no artigo 16, disse que o governo deve instituir a nova grelha salarial a partir de 2017.

Mendonça salientou que, se  sucessos governos afirmam que não têm condições para fazer o reajuste salarial na função pública, devido o não funcionamento da Assembleia Nacional Popular, o actual tem condições suficiente para aplicar a nova grelha na função pública.

“O executivo preocupa apenas em aumentar salário de alguns políticos, enquanto os funcionários continuarão a auferir de um salário magro que não consegue satisfazer as suas necessidades mensais”, lamentou Júlio Mendonça.

Disse que o mais caricato no Orçamento Geral de Estado (OGE) de 2018 é que o primeiro-ministro disse que não está em condições para fazer o reajuste salarial, mas que tem condições para aumentar impostos e de cobrar aos servidores de Estado as taxas profissionais num valor de 1 por cento.

O líder da UNTG disse  que, o mais grave é que os deputados estão a par desta situação, mas como são solidários e preocupados   apenas com o aumento do Orçamento da ANP, não discutiram  o  assunto e aprovaram o OGE.

 “Quer dizer que estão de acordo  que os trabalhadores continuem a ter uma vida miserável e os políticos cada vez mais ricos”, disse.

Por isso, Júlio Mendonça promete prosseguir com as greves até que cada servidor de Estado tenha capacidade económica de garantir educação e saúde para os seus familiares.

O Secretário-geral da UNTG apelou aos funcionários no sentido de participarem nessa reivindicação, porque se não o fizerem nunca terão “uma vida digna”.

Publicidade