O vice-ministro do Turismo e Promoção Artesanal da Guiné Equatorial admitiu hoje que os trabalhadores do setor do turismo ainda não estão preparados para atentar turistas portugueses, mas defendeu necessidade de formação para atrair mais hóspedes da comunidade lusófona.

“A Guiné Equatorial aderiu a diferentes idiomas, temos o espanhol, o francês, e também aderimos ao português, mas estamos a fazer todos os esforços possíveis para que os empregados do setor hoteleiro e da restauração se adaptem à língua portuguesa e possam receber os turistas portugueses sem nenhum problema”, afirmou Prudencio Botey Sobole.

O vice-ministro do Turismo e Promoção Artesanal da Guiné Equatorial falava à agência Lusa no encerramento da X Reunião de ministros do Turismo da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP), que decorreu hoje na cidade de São Filipe, na ilha cabo-verdiana do Fogo.

Publicidade