Foi num pavilhão de basquetebol com capacidade para cinco mil pessoas (e longe de estar cheio) em Dongguan, na China, e numa keynoteem chinês, mas para o mundo ver e ouvir, que a Huawei deu a sua resposta ao recente bloqueio americano. A empresa chinesa lançou um novo sistema operativo que promete ser alternativa do Android ao Windows (em 2020) e ser opção para todos os tipos de aparelhos. E, tal como o Android, poderá ser utilizado por outras empresas além da Huawei, já que é em open source. Uma posição categórica da empresa chinesa após as dúvidas recentes sobre se podia usar o sistema Android nos seus telemóveis.

Embora a parceria com a Google se mantenha “por respeito com os vários parceiros”, a empresa garante que em apenas dois dias consegue fazer a transição suave de todos os aparelhos para o novo Harmony e abandonar o Android, se for necessário. Em aberto fica uma possível mudança no futuro, até porque a marca defende que o seu sistema é mais rápido, tem menos latência e é mais seguro do que o sistema da Google – o que pode ser mais difícil é ter o número de programadores e parcerias que o Android já tem.

Richard Yu, o líder da parte de consumo da Huawei, fez o anúncio no HDC 2019, a conferência de programadores da empresa, que pela primeira vez foi aberta à imprensa internacional. Yu explicou que o novo sistema é em open source, tem arquitetura distribuída e a chamada verificação formal, usada na aeronáutica por trazer maior segurança. Uma combinação “única na indústria” e os ingredientes que vão permitir, diz o responsável, não só que o sistema “seja mais fluído e rápido”, bem como adaptável a vários tipos de aparelhos “para uma experiência de inteligência artificial fácil e suave entre dispositivos”. “Queremos construir um sistema operativo global, não só para a Huawei mas para outras marcas parceiras para que todos possamos fazer a próxima geração de sistemas num ecossistema conjunto e em colaboração”, indicou.

A empresa anuncia um sem número de vantagens do seu HarmonyOS inclusive para os programadores e poderá ser usado muito além dos smartphones, tablets ou smartwatches. A ideia é poder entrar também em computadores em 2020 competindo eventualmente com o Windows (usado atualmente nos MateBook da empresa), mas ir mais longe e entrar nos produtos IoT para a casa, da mais pequena coluna à televisão inteligente e eventualmente entrar nos automóveis. A Huawei tem inclusive uma divisão para software para condução autónoma e um contrato com a Audi já assinado.

“Queríamos criar o sistema operativo do futuro, porque nos atuais criam-se silos entre tipos de aparelhos diferentes”, disse Yu, dando o exemplo da Apple, que tem sistemas diferentes para computador (MacOS), telefone (iOS), televisão (tvOS) e, agora, tablet (iPadOS). A ideia do Harmony OS, que começou a ser preparado há dois anos, é que possa permitir que vários aparelhos tenham capacidades partilhadas. “Podem servir como periféricos uns dos outros, ou seja, de um smartwatchpodemos usar a câmara de um telefone ou controlar o televisor da casa, por exemplo”. Promessas feitas, o novo sistema Harmony OS passa oficialmente a existir a partir desta sexta-feira, mas a Huawei não explicou quando podemos vê-lo em ação e quais os próximos passos. Nem tão pouco confirmou os boatos de que smartphones de gama baixa iriam começar a incluir o novo sistema desenvolvido pela empresa chinesa.

Bloqueio estragou planos

A empresa está bem e recomenda-se, disse ainda Richard Yu, indicando que em oito anos a divisão de consumo cresceu 64 vezes em vendas e continuam a investir forte em pesquisa e desenvolvimento (15 mil milhões de dólares em 2018). Venderam 118 milhões de smartphones o ano passo, um crescimento de 24%, e no primeiro semestre cresceram 23%. “Seria mais se não fosse o bloqueio dos EUA e as incertezas que vieram daí, que nos prejudicaram e por causa disso será mais difícil chegarmos à liderança mundial em smartphones já este ano”, alerta Yu.

Curiosamente, ontem ficou-se a saber que no segundo trimestre, de acordo com dados da consultora IDC, as restrições impostas pelos EUA ao abrigo da guerra comercial com a China, fizeram a Huawei Portugal a vender menos 7.462 smartphones do que no mesmo período do ano passado, quebrando a tendência de dois anos a crescer. A queda entre abril e junho foi de 4,1%, com 173.437 smartphones vendidos e quem ganhou foi a Samsung, subindo 19,4%.

No evento também foram mostradas novidades da nova ‘pele’ da marca para Android, o EMUI 10.0 – que chega em outubro com os novos Mate da marca –, onde o modo escuro foi evidenciado, bem como uma nova plataforma aberta chamada HiAI para ligar aparelhos inteligentes.

Publicidade