“O importante é que o partido saia cada vez mais fortalecido”, disse aos jornalistas a recandidata a presidente do maior partido da oposição cabo-verdiana, após votar numa mesa instalada numa escola no bairro de Achada de Santo António, cidade da Praia.

Janira Hopffer Almada salientou que o partido está num “momento muito particular”, próximo de um período eleitoral, que começa no próximo ano com as eleições autárquicas e no ano seguinte com as legislativas.

“O importante é que cada militante, amigo e simpatizante do PAICV tenha a consciência exalta que o partido será tanto ou mais forte quanto maior e melhor for a contribuição que cada um der. É esse o apelo que faço, que cada um de nós tenha a entrega, o empenho de colocar os interesses de Cabo Verde sempre em primeiro lugar, de dar a sua contribuição para um partido cada vez mais forte para que possamos resgatar Cabo Verde, na perspetiva de construirmos um país que seja para todos”, pediu.

Janira Hopffer Almada é candidata única para liderar o maior partido da oposição cabo-verdiana, após o deputado José Sanches ter desistido de apresentar a sua candidatura, alegando que está em curso um “golpe de assalto” à liderança do partido.

Janira foi pela primeira vez presidente do PAICV em 2014, altura em que ainda era ministra da Juventude, Emprego e Desenvolvimento dos Recursos Humanos, tendo conseguido 51,24% dos votos, contra 40,31% de Felisberto Vieira, que era líder parlamentar do partido, e 8,45% de Cristina Fontes Lima, então ministra adjunta e da Saúde.

Na reeleição, em 2017, como candidata única e já com o PAICV na oposição, ganhou com mais de 90% dos votos dos cerca de 35 mil militantes no país e na diáspora.

Dizendo que gostaria de aumentar ou manter a percentagem de votos alcançada na eleição anterior, Hopffer Almada sublinhou que o mais importante é o objetivo final, que é vencer.

“A minha motivação em ter e liderar um partido forte é na perspetiva de podermos ter cada vez mais capacidades, competências e forças na defesa dos interesses de Cabo Verde”, reforçou a candidata, que voltou a tecer críticas à governação do país por parte do atual Governo, liderado por Ulisses Correia e Silva, e suportado pelo Movimento para a Democracia (MpD).

Janira Hopffer Almada garante que vai estar determinada em trabalhar para a construção de um PAICV sempre orgulhoso do seu passado, mas também como portador de futuro.

“Mas também quero um partido unido em torno de causas e valores e a nossa causa maior, aquela que nos deve unir a todos, é a causa Cabo Verde, indubitavelmente”, prosseguiu.

As 300 mesas de voto vão estar abertas até às 17:00, em todo o país (240) e na diáspora (60), para a votação de 34.773 militantes inscritos nos cadernos.

Depois da eleição, o XVI congresso ordinário vai decorrer entre 31 de Janeiro e 02 de Fevereiro de 2020, que vai servir também para eleger os novos órgãos do partido.

Publicidade