A afirmação é do ministro das Relações Exteriores de Angola, Manuel Augusto, que considerou o Pavilhão Multissectorial de Angola na feira como o melhor do país, facto que orgulha a nação angolana.

O governante, que falava à imprensa neste domingo, no Cairo (Egipto), no final de uma visita ao pavilhão de Angola, afirmou que a exposição das empresas angolanas na feira despertou o interesse de potenciais investidores e parceiros em diversos sectores da economia nacional.

Após ter percorrido vários stands dos expositores angolanos, o ministro fez uma avaliação positiva, tendo parabenizado todas as empresas que transformaram a participação de Angola na maior montra comercial africana numa realidade.

Segundo o ministro, a participação de Angola em eventos desta natureza permite também fazer uma análise realista de aonde o país está situado e avaliar qual é o nível que outros países atingiram.

O governante sentiu-se ainda reconfortado pelo facto da maior parte dos representantes das empresas angolanas serem jovens, facto que dá garantia de um futuro risonho da classe empresarial angolana.

No cômputo geral, referiu, a visita serviu para passar uma mensagem aos empresários de que o Governo angolano está alinhado com o sector privado, tendo realçado que Angola está no caminho certo da promoção do país e na atração de novos investidores, apesar de estar consciente de que ainda existe muita coisa por se fazer, quer a nível do Estado como do sector empresarial.

Quanto a possibilidade de Angola albergar uma feira do género, nos próximos tempos, o governante referiu que é necessário que se potencie primeiro as capacidades do país e mostrar aos cidadãos e outros países que Angola pode realizar eventos similares.

“Nós podemos trabalhar para que eventos do género tenham lugar no nosso país num futuro breve. Para que se concretize esta realidade, temos que trabalhar muito e, fundamentalmente, sermos organizados e disciplinados”, acrescentou.

De acordo com o ministro, Angola estará disponível a albergar uma feira do género, quando tiver as condições necessárias criadas, visando o alcance dos objectivos preconizados nestes eventos.

Além de visitar os stands de Angola, o ministro também visitou o pavilhão do Afreximbank, onde familiarizou-se com a actividade desta instituição bancária africana.

No âmbito do prosseguimento da estratégia da diplomacia económica, o ministro passou pelo Egipto e vai para República Árabe do Catar e provavelmente ao Barém, país insular do Golfo Pérsico.

A primeira Feira Comercial Intra-africana (IATF/2018), que conta com a participação de mais de mil expositores, termina esta segunda-feira, com o anúncio do país que vai albergar a próxima edição, IATF/2020.

A realização da IATF/2018 é da iniciativa da União Africana (UA), em parceria com o Banco Africano de Exportação e Importação (Afreximbank) e do Governo egípcio. Nesta edição, que visa acelerar as trocas comerciais e a integração económica entre os países africanos, o Afreximbank disponibilizou vinte e cinco mil milhões de dólares norte-americanos para financiar empresas africanas.

Publicidade