Instabilidade na Guiné-Bissau dificulta reforma administrativa

0

O representante interino do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud) na Guiné-Bissau, Gabriel Dava, enfatizou, durante evento em Bissau, que a complexidade da reforma administrativa enfrenta dificuldades, sobretudo devido às cíclicas crises políticas que não perm2323itiram nenhum governo sobreviver uma legislatura.

“A reforma do setor da administração pública é uma das áreas mais complexas e não é fácil, especialmente num contexto em que temos as instituições públicas a não funcionarem eficientemente devido as crises que todos conhecemos. A instabilidade institucional torna muito mais complexo fazer as reformas necessárias”.

O representante destacou que o desenvolvimento é um processo difícil com tais desafios. Segundo ele, o papel das Nações Unidas é justamente apoiar países em situação de dificuldade como a Guiné-Bissau para garantir uma vida melhor às populações mais vulneráveis.

Custo altos

Gabriel Dava falou da parceria com o Ministério da Função Pública e da Administração Territorial e destacou o recenseamento dos servidores do Estado. O processo recentemente apoiado pelo Pnud ajudou a preparar melhor as folhas de salário e a controlar as despesas.

“Os custos dos funcionários são extremamente altos e para sermos eficientes temos que conhecer quem são estes funcionários e onde estão. Estamos a trabalhar com o Ministério da Função Pública naquilo que é a restauração dos órgãos que vão coordenar o processo da reforma, estamos a reativar o Conselho Nacional de Monitoria da Reforma”.

Para o responsável, o processo vai ajudar a implementar planos e estratégias que já existem, faltando apenas os mecanismos necessários para a sua implementação.

Publicidade