A garantia foi dada, segundo um comunicado do ministério angolano das Finanças, durante um encontro do presidente executivo do International Finance Corporation (IFC), Philippe Le Houérou, com a delegação angolana que participa em Washington nas reuniões anuais do Fundo Monetário Internacional e Banco Mundial.

“Angola é um país com elevado potencial e nós pretendemos ser parceiros oferecendo as nossas janelas de financiamento para apoiar o setor privado”, afirmou Philippe Le Houérou, citado no mesmo comunicado.

O documento adianta que o IFC pretende tornar Angola numa referência para o seu relacionamento com os países africanos.

O responsável do IFC admitiu igualmente a possibilidade de estar em Luanda em Março de 2020 para uma conferência internacional a ser organizada conjuntamente, sobre o setor privado.

A delegação angolana nos encontros do FMI e Banco Mundial é chefiada pela ministra das Finanças, Vera Daves, e integra ainda o ministro da Economia e Planeamento, Neto Costa; o governador do Banco Nacional de Angola, José de Lima Massano; o secretário do Presidente para os Assuntos Económicos, Lopes Paulo, e o secretário de Estado das Finanças e Tesouro, Osvaldo João, entre outros responsáveis destas estruturas governamentais.

Segundo o comunicado do ministério das Finanças, a delegação angolana vai desdobrar-se em vários encontros na capital federal norte-americana, destacando-se os contactos com o presidente executivo do IFC, com o diretor do FMI para África, com a Reserva Federal, com a Agência Francesa de Desenvolvimento e instituições bancárias internacionais como a JP Morgan, entre outros.

Publicidade