De acordo com dados divulgados pela Direção de Inspeção e Coordenação de Jogos (DICJ), este valor, angariado nas salas de grandes apostas dos casinos, representou menos 30,869 milhões de patacas (3,459 milhões de euros) do que no ano anterior.

A acrescentar a esta perda, junta-se o facto de o jogo VIP ter perdido para o segmento de massas a posição mais dominante na capital mundial do jogo: pelo menos nos últimos cinco anos, as grandes apostas representaram mais de 50% das receitas globais.

Em 2019, o jogo VIP representou apenas 46,2% do total das apostas angariadas.

Os casinos de Macau fecharam 2019 com receitas de 292,46 milhões de patacas (cerca de 32,43 milhões de euros), menos 3,4% do que no ano anterior.

Em 2018, as receitas dos casinos tinham atingido um total de 302,85 milhões de patacas (cerca de 33,6 milhões de euros).

Capital mundial do jogo, Macau é o único local na China onde o jogo em casino é legal. Operam no território seis concessionárias: Sociedade de Jogos de Macau, fundada pelo magnata Stanley Ho, Galaxy, Venetian, Melco Resorts, Wynn e MGM.

Publicidade