Entre os alegados envolvidos estão os cinco membros da tripulação, o proprietário da embarcação e três responsáveis do Instituto Marítimo Portuário, entre os quais o seu diretor-geral. Todos foram constituídos arguidos e detidos ao início da tarde de hoje.

A audição começou ao final da tarde e prolongou-se até à noite, tendo o juiz decidido o regresso à cadeia e a continuação da audição hoje.

Todos os arguidos são suspeitos de vários crimes, entre os quais o de homicídio involuntário, incorrendo numa pena de quatro anos de prisão.

O navio “Amfitriti” naufragou quando transportava 212 toneladas de cargas diversas e 72 passageiros, incluindo os cinco membros da tripulação. Oito morreram, nove foram dados como desaparecidos, tendo 55 pessoas sido salvas.

O naufrágio do “Amfitriti” mobilizou uma corrente de solidariedade para com as vítimas e seus familiares, incluindo do Presidente da República, Evaristo Carvalho, e do primeiro-ministro, Jorge Bom Jesus, que se deslocaram também à Região Autónoma do Príncipe.

Publicidade